App de calendário aprovado na App Store esconde minerador de criptomoedas

Por Wagner Wakka | 12 de Março de 2018 às 17h24
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Uma das novas preocupações na hora de baixar um aplicativo agora são os mineradores de criptomoedas, como o Bitcoin. Embora a Google Play seja conhecida por ser mais permissiva em relação aos aplicativos que estão na plataforma Android, a Apple já se mostra mais restritiva enquanto a isso. Contudo, um aplicativo aprovado pela App Store está minerando criptomoedas em Macs.

O termo minerar criptomoeda significa que um programa está usando a capacidade de processamento do aparelho do usuário para decodificar uma moeda que está encriptada. Em termos práticos, isso reduz bastante a velocidade do sistema.

O app chamado Calendar 2, que apenas adiciona algumas ferramentas ao calendário do Mac, soltou um update em que adiciona o minerador Monero ao app. Um dos problemas do aplicativo é que ele deveria mostrar ao usuário que irá usar o processamento do aparelho para isso e apresentar um termo de concordância. Somente depois disso, ele pode fazer a mineração. A ação some automaticamente na versão paga, mas é possível desabilitar a função na versão gratuita também.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O site ArsTechnica, que divulgou a informação em primeira mão, tentou contato com a Apple, que ainda não se pronunciou sobre o assunto. Já a desenvolvedora do Calendar 2, a Qbix, disse que há dois bugs no minerador adicionado ao programa: o primeiro faz o minerador rodar mesmo que o usuário desabilite isso; outro seria que o app está consumindo mais do processador do usuário do que a desenvolvedora gostaria, o que seria entre 10% a 20% do processamento do computador.

A proposta de adicionar um minerador a um site ou app seria uma forma de monetização para que o desenvolvedor possa disponibilizar uma versão gratuita do software, no sistema conhecido como freemium. Após a inclusão, o software recebeu uma série de avaliações negativas e atualmente tem a pontuação 2/5 na plataforma.

Fonte: ArsTechnica

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.