Qual a melhor distribuição Linux para você, parte 1

Por Pedro Cipoli | 05 de Janeiro de 2016 às 17h24

Afinal, qual é a melhor distribuição Linux? Será que existe uma distribuição melhor? Na verdade, um dos maiores trunfos das distros Linux é que o usuário pode escolher a que considerar melhor, já que cada uma delas traz uma proposta diferente. Objetivamente não existe uma distribuição superior, mas sim uma que se encaixa melhor a determinado perfil de usuário, o que acaba sendo um problema para quem quer mudar para o Linux.

Pensando nisso, montamos uma lista com as distribuições mais famosas, separadas pelo seus melhores casos de uso, para ajudar você a decidir.

Para o usuário iniciante: Linux Mint ou Ubuntu

Ambas trazem varias características em comum que fazem delas um excelente ponto de partida para quem quer mudar para o Linux. São extremamente intuitivas, do processo de instalação até o gerenciamento de atualizações, não exigindo uma longa curva de aprendizado para dominar o sistema. Mais do que isso, oferecem um reconhecimento automático de drivers proprietários de componentes importantes, como a placa de vídeo e a antena Wifi, evitando que o usuário tenha que fazê-lo manualmente.

Distros Linux

O Ubuntu é baseado no Debian, com um sucesso exponencial desde o seu lançamento pela facilidade de uso, sendo o representante mais famoso do Linux. As primeiras versões usavam o Gnome como interface gráfica, substituída pela Unity na versão 10.10, o que acabou não agradando uma boa parte do público. Não pela interface em si, mas pela grande exigência de recursos 3D, o que faz com que o Ubuntu não seja a melhor opção para quem tem uma configuração mais básica.

Esse é um dos principais motivos para a altíssima popularidade atual do Linux Mint, baseada no Ubuntu, mas trazendo o Cinnamon como interface gráfica padrão. Na data em que esse artigo foi escrito, o Linux Mint é a distro mais popular de acordo com o ranking do Distrowatch, posição que sustenta com grande vantagem em relação a segunda posição (Ubuntu) há um bom tempo. Além de mais leve, o Mint oferece uma transição mais suave em relação ao Windows, já que o Cinnamon tem um visual mais semelhante à organização de menus do sistema da Microsoft.

Distros Linux

Porém, independentemente da necessidade de poder computacional, tanto o Ubuntu quanto o Linux Mint são igualmente competentes em oferecer um altíssimo nível de intuitividade para quem quer experimentar o Linux.

Para computadores antigos: Lubuntu, LXLE ou Puppy Linux

Sistemas semelhantes com abordagens contrárias: enquanto o LXLE é um sistema próprio com interface LXDE que usa o Ubuntu como base, o Lubuntu é o bom e velho Ubuntu com interface LXDE como padrão. Uma diferença sutil, com foco em diferentes quesitos, mas com o mesmo objetivo: exigir o mínimo possível de recursos, tornando ambos ideais tanto para computadores de baixa performance quanto PCs muito antigos, oferecendo uma bela sobrevida nos dois casos.

Distros Linux

A diferença essencial é que o LXLE usa a versão LTS (Long-Term Support) do Ubuntu (atualmente, a 14.04), enquanto o Lubuntu usa a versão mais recente (15.10). A escolha entre um e outro fica a critério do usuário, de um lado escolhendo uma versão mais estável do Ubuntu; do outro, todos os novos recursos, já que recebe atualizações a cada 6 meses. Em qualquer um dos casos, há versões de 32 ou 64 bits. Ou seja: há suporte para qualquer computador mais antigo, ou mesmo sistemas que ainda usam processadores de 32 bits, como algumas versões do Intel Atom.

Distros Linux

A interface de ambos, a LXDE (Lightweight X11 Desktop Environment) é uma das interfaces gráficas mais leves disponíveis para Linux, usando elementos 2D em todo o sistema. De processadores que não possuem gráficos integrados (caso do Core 2 Duo, Phenom e primeira geração do Intel Core), até sistemas que possuem placas de vídeo bastante básicas, é difícil encontrar um hardware que não rode bem tanto no LXLE quanto no Lubuntu.

Distros Linux

E, claro, temos o Puppy Linux, que tem o mesmo potencial de ressuscitar aquele PC antigo cheio de poeira. Deixamos ele por último não por uma questão de preferência, ou inferioridade, e sim devido ao fato de se tratar de uma distribuição independente. Na prática, isso significa que a transição de uma distro base não é tão natural, já que as distribuições que mencionamos trazem a mesma base (o Debian), o que permite uma certa naturalidade para quem já entende como funciona. Para quem está experimentando a sua primeira distro, porém, a curva de aprendizagem é a mesma, trazendo o Openbox como interface padrão.

Para quem prioriza estabilidade e para servidores domésticos: Debian

Uma das mais antigas e prolíficas distribuições Linux, o Debian pode ser interpretado como a “mãe” de dezenas de distribuições-filhas por aí, incluindo o Ubuntu, Deepin e Tails, como também “netas”, como Linux Mint, Ultimate Edition e elementaryOS. Atualmente, a quantidade de distros baseadas no Debian chegam a casa das centenas, e não sem motivo, já que a proposta original do Debian já deixa claro o poder de jogo dessa distro.

Distros Linux

Para muitos usuários, basta um sistema que simplesmente funcione. Aquela experiência de uso que, essencialmente, significa que você irá ligar o PC e ele estará funcionando do jeito que você deixou da última vez. Esse é o Debian, que preza pela estabilidade acima de tudo, o que torna-o uma excelente opção tanto para usuários comuns quanto para servidores, tanto domésticos quanto de grande porte. Vale mencionar que o Debian prioriza softwares livre em detrimento a proprietários, o que vai desde drivers até codecs de áudio.

Outro trunfo do Debian é a altíssima quantidade de softwares livres disponíveis, com repositórios bastante prolíficos. Um lado, digamos, negativo do Debian é que ele não é tão intuitivo quanto as distribuições que mencionamos até agora, não sendo a melhor opção para marinheiros de primeira viagem. Essa dificuldade extra começa no processo de instalação e vai até o gerenciamento do sistema no dia a dia. Não chega a ser excessivamente complicado, mas exige um nível maior de conhecimento.

Para usar no notebook: Ubuntu MATE ou Linux Mint MATE

Distros Linux

Escolher uma distribuição para usar no notebook exige um pouco mais de planejamento, e nossa escolha pela interface MATE tanto no Ubuntu quanto no Linux Mint reflete isso. Do lado do sistema, ambos são excelentes opções pela simplicidade de uso e facilidade no gerenciamento de drivers e tarefas do dia a dia, características que são mantidas com diferentes interfaces gráficas.

Distros Linux

Nossa escolha pelo MATE, que pode ser visto como uma versão simplificada do Cinnamon, é devido ao equilíbrio entre visual, baixa exigência de processamento e recursos. O Unity, interface padrão do Ubuntu, não é a melhor opção para quem pretende maximizar a autonomia de bateria, já que exige mais recursos 3D, o mesmo valendo para o Cinnamon, ainda que em uma escala menor. Aliás, independentemente da preferência por distribuições, vale a pena usar o MATE quando o notebook está fora da tomada, já que pode ser instalado separadamente na maioria das distribuições.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.