Projeto Sonar: Nova distro de Linux deve ser focada em pessoas com deficiência

Por Redação | 06 de Fevereiro de 2013 às 13h35

Apesar de terem avançado em dispositivos móveis, as opções de acessibilidade em computadores desktop e laptops ainda são poucas e insuficientes. Com exceção do Mac OS X, que traz o programa nativo Voice Over, sistemas como o Windows e Linux ainda engatinham na hora de garantir acesso para portadores de deficiência.

Mas uma nova distribuição do Linux, apelidada de Projeto Sonar, deve ser o próximo passo de acessibilidade em computação, com um sistema operacional pensado inteiramente para usuários com necessidades especiais. “Nós queremos montar um Linux focado em acessibilidade”, explica o desenvolvedor Jonathan Nadeau. “Não apenas para pessoas cegas ou com baixa visão, mas para pessoas com dislexia e dificuldades de aprendizado, assim como pessoas com baixas capacidades motoras e tetraplegia”, escreveu na página de seu projeto.

Atualmente, softwares proprietários de acessibilidade, que podem ser instalados no Windows, tem um custo aproximado de US$ 900 (ceca de R$ 1.788 mil), o que dificulta o acesso para muitas pessoas com deficiência. É estimado que existam cerca de 360 milhões de pessoas cegas ou com baixa visão ao redor do mundo, 90% delas em países em desenvolvimento.

Quando terminado, o Projeto Sonar deverá ter distribuição gratuita e código fonte aberto. “Eu quero que pessoas que dependam de tecnologias assistivas usem software gratuito para que nós possamos controlar nossa própria computação e opções de acessibilidade”, escreve Nadeau, que perdeu a visão em 1992 após um acidente de carro.

O projeto está na fase de financiamento coletivo através do site Indiegogo, e tem mais 15 dias para chegar à meta de US$ 20 mil (ceca de R$ 39,7 mil).

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.