Google e Facebook são acusados de manipular usuários para fornecerem seus dados

Por Natalie Rosa | 27 de Junho de 2018 às 12h15
Wandera
Tudo sobre

Google

Um estudo realizado pela União Europeia sugere que o Facebook e a Google estão forçando os usuários a compartilharem informações privadas.

Segundo a pesquisa intitulada "Deceived By Design" ("Enganado pelo design", traduzindo livremente), as companhias estariam oferecendo opções consideradas invasivas e limitadas, mesmo com a nova regulação de proteção de dados imposta recentemente — o GDPR.

De acordo com o Conselho do Consumidor da Noruega, as atualizações de privacidade destas empresas não condizem com a regulação, que as obriga a deixar claro aos usuários quais são suas escolhas quando o assunto é o compartilhamento de informações privadas.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Finn Myrstad, diretor de serviços digitais do conselho, diz que "as companhias nos manipulam para compartilharmos informações sobre nós mesmos". O estudo revela ainda que a prática mostra "uma falta de respeito com os usuários" e que ainda oferece a falsa sensação de controle dos dados.

O relatório do estudo conta também que a Google e o Facebook deixam definido como padrão opções que são menos favoráveis à privacidade, e que os usuários não costumam fazer essa alteração, muitas vezes pelo fato de essas alternativas estarem escondidas nas configurações das plataformas.

Resposta

Em resposta à imprensa, a Google disse que que vem reconstruindo a privacidade e segurança de seus produtos desde as etapas iniciais.

"Ao longo dos últimos 18 meses, em preparação para a implementação da nova regulação de proteção de dados do GDPR, nós temos dado passos para atualizar nossos produtos, políticas e processos para prover a todos os nossos usuários o controle da transparência de dados de forma significativa e direta em todos os serviços. Estamos constantemente evoluindo esses controles com base na experiência de usuário", afirma um porta-voz da gigante.

Já o Facebook respondeu que sua abordagem está em conformidade com a lei e que segue a recomendação de profissionais da privacidade e design, "que são destinados a ajudar as pessoas a entenderem sobre suas escolhas e sobre como a tecnologia funciona".

Fonte: Gadgets 360Fortune

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.