Polícia russa invade sede da NGINX em caso de violação de direito autoral

Por Rafael Rodrigues da Silva | 13 de Dezembro de 2019 às 15h50

No última quinta-feira (12), durante operação, a polícia russa invadiu os escritórios de Moscou da NGINX, uma subsidiária da F5 Networks que, por sua vez, é a empresa responsável pelo desenvolvimento da mais popular tecnologia usada em servidores web.

De acordo com os presentes, foram apreendidos diversos equipamentos eletrônicos (como computadores e notebooks) e alguns funcionários foram detidos e levados à delegacia para prestar esclarecimentos.

A operação foi executada uma semana depois do Grupo Rambler entrar com um processo de violação de direito autoral contra a empresa, alegando que a NGINX roubou deles o código do programa de servidores web que ela usa. O Grupo Rambler é, no caso, a “empresa-mãe” da rambler.ru, que é uma espécie de “Google russo”, sendo um dos maiores portais da internet local e um dos mecanismos de pesquisa mais usados pela população do país.

De acordo com algumas cópias do processo que foram postadas no Twitter, a Rambler afirma que Igor Sysoev, fundador da NGINX, desenvolveu todo o software do programa enquanto trabalhava como administrador de rede na Rambler, e é por isso que ele pertence à companhia — mesmo que desde 2004 o software do NGINX já tenha sido disponibilizado como de código-aberto por Sysoev.

Sysoev nunca negou que desenvolveu o NGINX enquanto trabalhava na Rambler, até mesmo citando isso em entrevistas oficiais, mas ele sempre deixou claro que só trabalhou no software durante o seu tempo livre (ou seja, quando não estava em seu horário de trabalho) e que na época nenhum de seus chefes na Rambler sabia que ele tinha esse projeto paralelo que executava nas horas vagas.

Desde fevereiro deste ano, quando destronou o Apache HTTPD, o NGINX se tornou a tecnologia de servidores mais usada na internet mundial, e no mês seguinte a companhia foi comprada pela F5 Networks por um valor de US$ 670 milhões. De acordo com a Pesquisa sobre Servidores Web publicada pela Netcraft em dezembro, cerca de 38% de todos os sites do mundo utilizam o NGINX.

Por enquanto o Grupo Rambler se recusa a comentar sobre o caso para a mídia internacional, falando que seus porta-vozes não possuem conhecimento o suficiente de inglês para dar o parecer da empresa, mas a companhia confirmou para a mídia local que iniciou mesmo um processo contra a NGINX no dia 4 de dezembro. Já o porta-voz da F5 confirma que houve mesmo uma operação da polícia no escritório da empresa, mas que ainda está em busca de mais detalhes para poder dar seu parecer sobre o caso.

Até o momento, a única figura pública a se colocar contrária à operação foi Leonid Volkov, Chefe de Gabinete do candidato à presidência do país Alexei Navalny, que condenou a operação como ilegal, já que, de acordo com a lei local, 15 anos é tempo suficiente para a Rambler perder qualquer direito autoral que poderia ter sobre o software de Sysoev.

Fonte: ZDNet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.