iFood é multado pelo Procon em R$ 2,5 milhões por golpes em delivery

Por Claudio Yuge | 18 de Agosto de 2020 às 20h15
iFood
Tudo sobre

iFood

Saiba tudo sobre iFood

Ver mais

Desde março deste ano, muitos consumidores vêm reclamando e sendo alertados pelo Procon de São Paulo sobre golpes envolvendo entregadores e clientes. As fraudes envolvem o desconhecimento dos usuários sobre o funcionamento dos apps desse tipo e uso de maquininhas de cartão danificadas para a cobrança de valores exorbitantes ou taxas extras e inexistentes. Nesta terça-feira (18), a Defesa do Consumidor da capital paulista emitiu uma multa de US$ 2,52 milhões ao iFood devido a esse problema.

O Procon afirma que a companhia foi notificada por não oferecer condições de segurança ideais aos consumidores e má prestação de serviços, além de outras infrações ao Código de Defesa do Consumidor. É importante lembrar que o golpe não seria praticado pela empresa, que, na verdade, também seria impactada pela ação de criminosos, pois, após análise, tem ressarcido os clientes — mesmo no caso de fraudes aplicadas com dispositivos que não pertencem ao serviço.

O próprio iFood orienta os consumidores, por meio de notificações no app, para não aceitarem cobranças adicionais, além de confirmar os pagamentos digitais. Mas por que então o Procon multou a companhia? “A empresa responde pelos atos de seus prepostos, não importa que os entregadores não sejam seus funcionários; ela deve se responsabilizar pelos seus representantes”, explicou Fernando Capez, secretário de defesa do consumidor do Estado de São Paulo.

"Golpe do entregador" gerou prejuízo de R$ 600 mil entre março e o início deste mês
(Imagem: Reprodução/Roberto Parizotti - FotosPublicas)

A multa vem após dezenas de denúncias ao Procon. Além disso, o iFood foi notificado por permitir aos fornecedores parceiros a imposição de valor mínimo para finalização de pedido e a ausência de informações sobre a quantidade de alimentos nas entregas. A Defesa do Consumidor também diz que a plataforma possui cláusulas ilegais em seu contrato, ao afirmar que “não se responsabiliza pela prestação de serviço contratado pelo consumidor”.

O que diz o iFood?

A companhia emitiu um comunicado sobre a notificação do Procon, publicado pelo G1. "O iFood informa não ter recebido a autuação com imposição de multa do Procon-SP. É importante ressaltar que a prática fraudulenta da maquininha afeta tanto os consumidores quanto o iFood, que, em apoio aos clientes, após análise, faz o ressarcimento mesmo diante de fraudes aplicadas por meio de aparelhos de pagamento que não pertencem à empresa”, diz.

“Por meio de notificações, o iFood orienta os clientes a não aceitar cobrança de valores adicionais na entrega e informa a confirmação de pagamento via app", completa.

Fonte: G1  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.