GlobalFoundries processa TSMC e pode impedir que Apple venda qualquer iPhone

Por Rafael Rodrigues da Silva | 27 de Agosto de 2019 às 08h15

A GlobalFoundries (GF), empresa de semicondutores da Califórnia, está processando a TSMC — maior companhia de semicondutores do mundo —, alegando que a empresa de Taiwan está violando patentes da GF registradas nos Estados Unidos e na Alemanha, e pede pelo bloqueio das importações de qualquer aparelho que utilize produtos que violam essas patentes, o que incluiria todos os iPhones e iPads da Apple, todos os smartphones da linha Pixel da Google, e todos os modelos de placas de vídeo da Nvidia.

A GF acusa a TSMC de quebrar 16 patentes da companhia, sendo 13 nos Estados Unidos e 3 na Alemanha. De acordo com Gregg Bartlett, vice-presidente sênior de engenharia e tecnologia da GF, durante anos a empresa tem investido bilhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento, apenas para que a TSMC possa se aproveitar dos frutos desse investimento e lucrar em cima disso. Para Bartlett, a ação da empresa é de importância crítica não apenas para proteger suga propriedade intelectual, mas também para se certificar que a companhia de Taiwan não mais tente se aproveitar da patente de outras marcas.

Apesar do amplo investimento no desenvolvimento de novas tecnologias, a GF é pouco atuante no setor de equipamentos eletrônicos para o consumidor geral, e sua atuação neste setor se resume basicamente a fornecer alguns chips para a AMD. Enquanto isso, a TSMC é uma das maiores empresas de tecnologia do mundo e, supostamente, estaria utilizando patentes da GF para desenvolver chips e processadores para algumas das maiores marcas do mercado. Assim, caso algum juiz dê o ganho de causa para a marca americana, empresas como Apple, Google, Nvidia, ASUS, Broadcom, Cisco, HiSense, Lenovo, MediaTek, Motorola, OnePlus, Qualcomm e TCL podem ser impedidas de vender seus produtos nos Estados Unidos e na Alemanha.

É preciso levar em conta também que, recentemente, a GlobalFoundries anunciou o cancelamento do desenvolvimento de chips de 7nm para uso comercial, e iria voltar seus esforços para produzir chips para soluções de RF e IoT. Assim, é possível chegar à conclusão de que, muito provavelmente, a empresa não se viu numa posição de competir no mesmo mercado que gigantes como a TSMC e a Samsung, e decidiu que a melhor opção para garantir algum lucro deste segmento seria o de usar suas patentes para travar uma batalha judicial, conseguindo assim alguma compensação.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.