Apple e Qualcomm podem entrar em acordo na Justiça ainda neste ano

Por Ares Saturno | 12 de Junho de 2018 às 09h25
Tudo sobre

Qualcomm

Há anos Apple e Qualcomm estão brigando no judiciário. A Apple alega que a Qualcomm usou suas patentes para vender seus chips por valores maiores que o que seria justificado, além de cobrar caro demais para licenciar as propriedades intelectuais; enquanto a Qualcomm diz que a Apple deve a ela mais de US$ 4,5 bilhões por peças que já foram utilizadas, mas ainda não foram pagas.

A fabricante norte-americana de chips chegou a entrar com uma ação judicial contra Cupertino nos tribunais chineses, buscando uma liminar que proibisse a venda dos iPhone X no país asiático. Por isso, a Comissão de Comércio Internacional iniciará audiências a partir da semana que vem, ouvindo as alegações da Qualcomm contra a Maçã sobre um trio de patentes que esta estaria infringindo.

A Qualcomm também está processando a Apple no sistema judiciário alemão, onde há uma decisão preliminar em favor da fabricante de chips, que alega que o uso de componentes da Intel nos iPhone vai contra suas patentes. Órgãos europeus investigam, no processo, se a patente detida pela fabricante de SoCs é válida.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A treta entre as empresas é feia: segundo Matt Larson, analista da Bloomberg, existem mais de 50 processos abertos versando sobre propriedade intelectual em mais 16 comarcas de seis países diferentes. Mas Larson também alerta para decisões judiciais que serão tomadas no segundo semestre que podem levar as duas empresas a um acordo nos tribunais ainda em 2018.

A possibilidade de uma negativa dos juristas em conceder à Qualcomm o bloqueio das vendas dos iPhones pode deixar a empresa mais inclinada a fazer acordos, da mesma forma que a possibilidade de liminares permitindo a suspensão dos produtos nos mercados pode amaciar a Apple para considerar soluções mais amigáveis. É possível, segundo Larson, que as empresas tentem resolver as coisas sem que seja necessário chegar a um ponto tão crítico.

Fonte: PhoneArena

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.