Alphabet investiga Google por casos de assédio sexual envolvendo executivos

Por Natalie Rosa | 07 de Novembro de 2019 às 16h10
Reprodução
Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre Google

Ver mais

Em novembro completa um ano que diversos funcionários do Google, ao redor do mundo, começassem a se manifestar em protestos contra os casos de assédio sexual dentro da companhia. Em meio a esse cenário, a Alphabet, empresa detentora da gigante da tecnologia, começa a fazer parte do caso.

De acordo com informações exclusivas da CNBC, o conselho de administração da Alphabet iniciou uma investigação para descobrir como os executivos do Google lidam com acusações de assédio sexual, entre outros comportamentos impróprios dentro da companhia. O conselho ainda criou um subcomitê independente e contratou uma empresa de advocacia externa para auxiliar na análise.

Em nota à fonte, um porta-voz da Alphabet afirmou que um comitê especial foi criado ainda no início deste ano, pelo conselho de administração, dedicado a considerar reclamações feitas por investidores do Google após a repercussão das acusações.

Andy Rubin (Imagem: Reprodução)

Ao longo dos últimos meses, o Google vem lidando com algumas denúncias de má conduta e assédio sexual envolvendo seus executivos, como Andy Rubin, o criador do Android. A decisão da empresa para lidar com a situação foi fazer um acordo com executivo, que deixou o seu cargo silenciosamente e recebendo US$ 90 milhões. Além de Rubin, Amit Singhal, ex-presidente sênior de buscas, também foi acusado de assédio sexual e deixou a companhia após acordo de US$ 15 milhões.

O Google não tem se manifestado sobre os casos, mas a esperança é que mudanças possam estar acontecendo na administração da companhia, referente à forma de lidar com acusações tão graves como as que vêm aparecendo a público.

Fonte: CNBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.