Samsung é condenada a pagar US$ 119 milhões por infringir patentes da Apple

Por Redação | 02.05.2014 às 23:52

A briga da Apple e da Samsung nos tribunais acaba de ganhar mais um capítulo favorável para a Maçã. De acordo com o site Re/code, um júri federal da cidade de San Jose, na Califórnia (EUA), condenou a fabricante sul-coreana a pagar US$ 119,6 milhões por infringir duas patentes da Apple.

O júri considerou que todos os smartphones lançados pela Samsung infringem o documento que corresponde ao recurso "slide-to-unlock" (para destravar a tela do aparelho). A companhia também foi condenada pela função de links rápidos. O restante das patentes não foi incluso no processo porque, segundo a corte, não violam ferramentas como a busca universal e sincronização em segundo plano, ambas presentes no iPhone.

Por outro lado, o júri condenou a Apple a pagar US$ 158,4 mil por violar a propriedade intelectual da concorrente. O valor é bastante inferior porque a violação não teria sido intencional, pelo menos segundo a opinião do júri. O veredito das duas entidades foi concluído após três dias de intensas negociações, nos quais foram ouvidas mais de 50 horas em depoimentos.

Durante a disputa, a Apple exigia da rival um montante de US$ 2,2 bilhões, mas a Samsung argumentou que devia, no máximo, US$ 38 milhões - ela ainda brigou por um acordo de US$ 7 milhões, valor considerado pela dona da linha Galaxy como "apropriado". "Não achamos que devemos um centavo à Apple. Eles estariam comemorando pelas ruas da Califórnia se dermos US$ 100 milhões a eles", afirmou John Quin, advogado da Samsung, em entrevista recente ao Wall Street Journal

Sobre o veredito, a Apple elogiou a decisão final. "Estamos gratos ao júri e ao tribunal por seu serviço. A decisão de hoje reforça o que os tribunais de todo o mundo já descobriram: que a Samsung roubou deliberadamente nossas ideias e copia nossos produtos. Estamos lutando para defender o imenso esforço que é empregado em produtos tão amados como o iPhone, [produtos estes] que nossos colaboradores dedicam suas vidas para projetar e entregar aos nossos consumidores", disse.

Representantes da Samsung e do Google não estavam presentes na corte para comentar o assunto. Quinn também ainda não se pronunciou sobre a decisão, mas observou que o veredito ainda não é algo definitivo. Na próxima segunda-feira (5), o júri vai se reunir novamente a pedido da Apple para verificar um outro produto que teria sido violado pela Samsung.