Revelada a identidade de ex-funcionário da CIA que divulgou dados sobre o PRISMA

Por Redação | 10 de Junho de 2013 às 14h20

Edward Snowden, 29 anos, ex-assistente técnico da CIA e atual funcionário da empresa de consultoria Booz Allen Hamilton, é o responsável pelas informações vazadas sobre o programa de espionagem norte-americano PRISMA, que utiliza dados armazenados nos servidores do Google, Microsoft, Facebook, Apple e outras empresas de internet como principal fonte de informação sobre diversas pessoas ao redor do mundo. As informações são do The Guardian.

Mesmo tendo divulgado uma série de documentos confidenciais, Snowden afirma: "não tenho nenhuma intenção de esconder quem eu sou, porque sei que não fiz nada errado...[Mas] eu não quero a atenção do público, porque eu não quero que a história seja sobre mim. Eu quero que seja sobre o que o governo dos Estados Unidos está fazendo".

Snowden esteve atuando pela NSA (Agência Nacional de Segurança) no Havaí recentemente, onde passou uma temporada ao lado de sua namorada e se manteve com um salário de aproximadamente US$ 200 mil (R$ 428 mil). Há cerca de três semanas, ele conseguiu reunir todos os documentos confidenciais necessários para fazer a revelação sobre o esquema e pediu duas semanas de folga de seu posto para, supostamente, tratar sua epilepsia. Logo em seguida, Edward Snowden fugiu para Hong Kong, China, onde está agora, e a escolha do país asiático se deve à sua resistência natural a acatar as decisões norte-americanas.

Edward Snowden PRISMA

Edward Snowden (Reprodução: Examiner)

Ainda durante sua entrevista ao The Guardian, Snowden revelou que sempre foi um aluno muito ruim e decidiu largar a escola para ingressar no exército. Seu sonho era atuar como militar na guerra do Iraque para, principalmente, ajudar a libertar aquele povo, mas ele encontrou dentro do exército pensamentos muito controversos que tinham como mote principal matar, ao invés de promover a libertação. Durante um treinamento, Edward Snowden quebrou as duas pernas e foi dispensado do serviço militar. Logo em seguida, ele ingressou como segurança na NSA e, em pouco tempo, entrou para o corpo de funcionários da área de TI da CIA.

Em um dos documentos que o jovem vazou para a imprensa, ele escreveu que está consciente de que possíveis represálias pelo seu ato possam surgir. "Eu acho que é justificado o sentimento de indignação que manifestaram. Ele me deu a esperança de que, não importa o que aconteça comigo, o resultado será positivo para a América. Eu não espero voltar novamente para casa, apesar de querer isso...A única coisa que eu temo são os efeitos nocivos para minha família, que eu não poderei mais ajudar. Isso é o que me mantém acordado à noite", disse.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.