Governo do Equador concede asilo político a Edward Snowden

Por Redação | 25.06.2013 às 12:19
photo_camera Digital Trends

Ricardo Patiño Aroca, ministro das Relações Exteriores do Equador, anunciou que o governo do país latino-americano concedeu asilo político a Edward Snowden, 29 anos, ex-funcionário de uma prestadora de serviços da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos. O jovem é acusado de roubo de informações sigilosas sobre o programa de espionagem eletrônica norte-americano, conhecido como PRISM.

Snowden deixou Hong Kong, China, no último domingo (23), onde estava escondido desde o final do mês passado quando enviou os documentos secretos da NSA a importantes jornais, como informaram as autoridades locais. A viagem teria sido paga com seus próprios recursos. O jovem saiu do país asiático acompanhado por advogados do Wikileaks, que correram para conseguir a documentação necessária para que Snowden solicitasse asilo ao Equador.

Ainda de acordo com Patiño, o asilo foi concedido porque Snowden corre "perigo de perseguição" nos Estados Unidos. "O homem que tentou dar transparência aos fatos que afetam a todos é perseguido por aqueles que deveriam dar explicações aos governos e aos cidadãos", explicou. Em carta enviada por Edward Snowden ao presidente equatoriano, Rafael Correa, ele afirma que pode ser "preso e executado" pelo governo norte-americano, já que é acusado também de espionagem governamental.

Por onde anda Snowden?

Nas notícias que circularam ontem (24) sobre a fuga de Snowden da China, afirmou-se que ele teria passado pela Rússia antes de seguir sua viagem para um local ainda desconhecido. No entanto, o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, afirmou que Edward Snowden não chegou a entrar em território russo e que as autoridades do país estão muito ressentidas com o fato de os norte-americanos terem acusado a Rússia do sequestro do jovem que procuram.

O Wikileaks confirmou que Snowden nunca esteve na Rússia e que ele está seguro, mas não revelou a real localização dele. A denúncia feita por Edward Snowden movimentou o mundo nas últimas semanas, já que os documentos colocados a público afirmam que a NSA e o FBI têm a capacidade de espionar as atividades na internet e via telefone de milhares de pessoas ao redor do mundo, e que empresas de tecnologia forneciam acesso a seus servidores para as autoridades do país, algo que elas negam.