Apple e Ericsson estão brigando por patentes relacionadas ao iPhone

Por Redação | 14.01.2015 às 11:59
photo_camera Divulgação

Um grande processo de patentes está colocando de lados opostos a Apple e a Ericsson por causa de patentes relacionadas ao iPhone. A ação se refere, principalmente, a tecnologias utilizadas no mais novo smartphone da Maçã e o pagamento de royalties que foram entregues pela empresa de Cupertino para sua utilização.

No processo, a Ericsson pede valores mais justos pelas patentes utilizadas no desenvolvimento dos produtos e afirma que a Apple precisa pagar de acordo com o valor total dos aparelhos que usam a tecnologia. Na época da aquisição das tecnologias, o valor de royalties tinha a ver com o valor percebido de cada elemento, algo que, para a reclamante, é totalmente incompatível com o preço de um iPhone no mercado.

Enquanto isso, a Apple acusa sua rival de tentar se aproveitar do sucesso do iPhone 6, que está vendendo que nem água em praticamente todos os países em que está disponível. Para a empresa de Cupertino, o processo se refere, pura e simplesmente, à busca por “mais dinheiro” e não tem qualquer base legal. As informações foram publicadas pelo site Cult of Mac.

Apesar de fazer tais acusações, a Apple vai além. Em sua primeira resposta oficial ao processo, a empresa de Cupertino afirma que o valor final do iPhone tem a ver com o valor embarcado de todas as suas tecnologias e que nem todas elas têm relação com as soluções patenteadas pela Ericsson. Sendo assim, a empresa afirma que pagou um valor justo para a fabricante já que essa é uma de suas principais políticas para garantir a proteção de patentes e inovações.

Apesar do tom agressivo de sua resposta, a Apple admite que houve, sim, diferenças na hora de negociar o valor dos royalties. Por isso, solicita a ajuda das autoridades americanas para que a questão possa ser resolvida da melhor forma possível e que, no futuro, novas disputas do tipo não voltem a acontecer.

O processo ecoa comentários feitos em 2011 pelo CEO da Ericsson, Bert Nordberg. Na época, em entrevista ao Wall Street Journal, ele afirmou que a empresa deveria ter levado o iPhone mais a sério em seus anos iniciais, já que não soube prever a importância que o smartphone assumiria no mercado mundial. Esse fator, inclusive, foi citado como um dos elementos para a queda de faturamento de sua parceria com a Sony, que foi desmanchada tempos depois.

Tribunais do estado americano do Texas serão os responsáveis pelo andamento da ação, que ainda não tem audiências marcadas. A possibilidade de um acordo entre as partes sempre existe, mas levando em conta a troca de farpas entre as duas companhias e as declarações da Apple, essa ideia parece um tanto distante da realidade.