Acionistas processam Zynga por suposta fraude

Por Redação | 01 de Abril de 2015 às 09h36

A produtora de games sociais Zynga perdeu uma batalha judicial para deter um grupo de investidores da companhia que abriu um processo sobre uma suposta fraude que teria acontecido nos meses que antecederam sua desastrosa oferta pública inicial de ações (IPO), em dezembro de 2011.

Os acionistas alegam que a administração da Zynga induziu os investidores a pensar que a saúde financeira da empresa estava melhor do que realmente era, além de esconder suas fraquezas. Executivos com informações privilegiadas sobre o andamento da empresa teriam vendido cerca de US$ 595 milhões em ações antes que houvesse o congelamento pós-IPO. Isso teria evitado uma queda de cerca de 75% no preço dos papéis da empresa durante os quatro meses subsequentes.

Veja também: O que é e como funciona um IPO?

Após recusar a entrada do processo há cerca de um ano, o juiz federal norte-americano Jeffrey White decidiu na última semana que o grupo de acionistas da Zynga pode continuar com sua ação judicial contra a empresa.

A alegação chave feita pelo grupo é a de que a Zynga não os informou sobre uma futura mudança na plataforma do Facebook, que teria um efeito bem adverso para os jogos da produtora; uma vez que seu maior lucro partia de grandes sucessos na rede social, como FarmVille, por exemplo.

Eles afirmam que a Zynga sabia antecipadamente sobre essa mudança no site de Mark Zuckerberg e já tinha até mesmo testado seus games na nova plataforma, mas falhou ao deixar de avisar possíveis investidores sobre essa movimentação.

No final de 2012, o Facebook mudou suas regras e os jogos da Zynga perderam o recurso de compartilhamento automático do progresso de cada jogador na rede social. A produtora alega que não tinha permissão para divulgar publicamente os planos futuros do Facebook. Na ocasião, a Zynga perdeu vários bilhões de dólares, milhões de usuários mensais e trocou seus executivos do alto escalão rapidamente.

Outra alegação grave é a de que a Zynga falava sempre sobre o crescimento na participação e na receita de seus jogos, mas as contas internas da companhia contavam uma história bem diferente. Porém, a empresa alega que os sócios não tinham como saber se as suas contas internas eram diferentes daquelas declaradas publicamente.

A empresa descrevia ainda a produção de novos games como "forte, robusta e muito saudável", mas os reclamantes alegaram que essas declarações foram equivocadas, uma vez que esses lançamentos sofreram “atrasos substanciais”. A ação judicial conta com seis testemunhas de dentro da Zynga para revelar como era a vida na empresa.

Com informações do Business Insider

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.