Valve vai passar a “permitir tudo no Steam” após mudança na política de games

Por Wagner Wakka | 06 de Junho de 2018 às 19h50

O Steam vai ampliar o escopo de jogos que serão permitidos em sua loja. Em outras palavras, a Valve está flexibilizando a política de inserção de games para venda. Quem informou isso Erik Johnson, responsável pela parte de software da Valve em post oficial no site do Steam.

Em um longo texto, ele explica que, basicamente, qualquer pessoa vai poder colocar seu jogo na plataforma, desde que respeite alguns preceitos básicos, como direitos humanos. “Decidimos que a abordagem correta é permitir tudo na Steam Store, exceto o que decidimos serem ilegais. Adotar essa abordagem nos permite concentrar menos na tentativa de policiar o que deveria estar no Steam, e mais na criação dessas ferramentas para dar às pessoas o controle sobre que tipos de conteúdo elas veem”, disse.

Embora tenha levado o problema para o lado legal, Johnson não deixa exatamente claro o que a palavra “ilegal “ vai significar para a empresa. Dessa forma, ela abre mão de tentar controlar o que entra em sua loja. “Como mencionamos anteriormente, as leis variam em todo o mundo, então vamos precisar lidar com isso caso a caso. Como resultado, quase certamente continuaremos a lutar com isto por um tempo”, informa.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Além disso, focar em criar ferramentas para o usuário escolher o que gostaria que fosse mostrado transfere a responsabilidade ao jogador. Ou seja, se só aparecem coisas que não deveriam, é porque o usuário não está sabendo usar a plataforma.

“A tomada de decisão neste espaço é particularmente desafiadora e é uma das dificuldades que enfrentamos. Ao contrário de muitos pressupostos, este não é um espaço que automatizamos — os seres humanos da Valve estão muito envolvidos, com grupos de pessoas observando o conteúdo de cada título controverso que nos é submetido. Da mesma forma, as pessoas assumiram falsamente que essas decisões são fortemente afetadas por nossos processadores de pagamento ou por grupos de interesse externos. Não, somos apenas nós lidando com um problema muito difícil”, confessa.

Johnson ainda aponta que o fato de um jogo estar na plataforma do Steam não significa que a empresa concorda com aquele conteúdo. Ainda, alerta que a loja pode ser conteúdos “que você odeia, ou não acha que deveriam existir”. A preocupação é de que a plataforma não passe a ser uma porta de acesso a games que não somente são considerados agressivos contra direitos humanos, ou agrida diretamente minorias e diversidade, mas que não tenham a real qualidade para serem expostos.

“Se você é um desenvolvedor de jogos ofensivos, não estamos apoiando você contra todas as pessoas que você está ofendendo. Haverá pessoas em toda a comunidade Steam que odeiam seus jogos, e esperamos que você não encontre um público”.

Fonte: Steam

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.