Após polêmicas, Riot Games proíbe discurso político nas transmissões de LoL

Por Nathan Vieira | 11 de Outubro de 2019 às 21h30
Divulgação

A Blizzard anda tomada por polêmicas desde que Chung "Blitzchung" Ng Wai, um jogador profissional de Hearthstone, resolveu dizer "Liberem Hong Kong" durante a transmissão do Hearthstone Grandmasters. Na ocasião, ele precisou entregar o seu dinheiro em premiação, foi desqualificado do torneio, e ainda recebeu uma suspensão de um ano sem poder participar de eventos oficiais do jogo em questão. Frente a isso, nesta sexta (11), a Riot Games comunicou que as transmissões de League of Legends não deveriam abordar nenhum "assunto sensível".

"Como regra geral, queremos manter nossas transmissões focadas no jogo, no esporte e nos jogadores", disse John Needham, chefe global de e-sports do League of Legends, durante um comunicado. "Atendemos fãs de muitos países e culturas diferentes e acreditamos que essa oportunidade vem com a responsabilidade de manter as opiniões pessoais sobre questões sensíveis (políticas, religiosas ou outras) separadas".

Blizzard está protagonizando polêmicas depois de suspeneder um jogador que falou de Hong Kong durante uma transmissão

Uma legião de fãs irados e outros editores de jogos publicaram declarações condenando a Blizzard por sua decisão de suspender um jogador por expressar discurso desfavorável ao governo chinês. A Epic Games, desenvolvedora do Fortnite, chegou a dizer publicamente que nunca proibiria jogadores ou criadores de conteúdo de fazer discurso político: "A Epic apóia o direito de todos de expressar suas opiniões sobre política e direitos humanos". Vários funcionários da Blizzard chegaram a pedir demissão na terça-feira (8) em protesto à decisão da empresa. Funcionários que permaneceram na companhia também demonstraram sua indignação com uma aglomeração na frente da sede. Grande parte dos manifestantes portava um guarda-chuva, que tem sido muito usado nos protestos de Hong Kong.

Na quarta-feira (9), a Riot Games fez sua primeira declaração sobre Hong Kong depois que foi acusada de censura por abreviar o nome de uma equipe de LoL chamada Hong Kong Attitude para HKA em uma transmissão. Para esclarecer, a Riot Games disse: "Nós nos referimos à equipe deles por abreviação, como fazemos rotineiramente com todas as equipes do nosso ecossistema".

Riot Games quer que jogadores de League of Legends não se pronunciem sobre assuntos sensíveis

League of Legends está atualmente no meio de seu Campeonato Mundial de alto nível, no qual as principais equipes profissionais do mundo competem em um evento no estilo da Copa do Mundo. O torneio contará com partidas espalhadas pela Europa, culminando na final de 10 de novembro em Paris. O jogo é particularmente popular na China, onde a liga profissional do League of Legends é uma das maiores de e-sports do mundo. A Nike assinou recentemente um contrato para fazer camisas de time.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.