Museu de Auschwitz pede para ser retirado de 'Pokémon GO'

Por Redação | 14.07.2016 às 08:29
photo_camera Divulgação

A febre de Pokémon GO tomou conta de todo o mundo, mesmo em países que ainda não receberam oficialmente o jogo, como o Brasil. Por se tratar de um game de realidade aumentada, e que exige que os jogadores caminhem por aí para capturar as criaturas por meio de geolocalização, uma série de situações polêmicas estão acontecendo, fazendo com que autoridades olhem para o jogo mais atentamente.

Mesmo tendo sido lançado nesta quarta-feira (13) na Alemanha, o Museu de Auschwitz já solicitou aos responsáveis pelo game que retirem o local do mapa. A ideia é que os usuários não utilizem o espaço, que foi palco de grande sofrimento no contexto do nazismo, para a diversão.

"Consideramos estas práticas fora de contexto. Foi aqui que milhares de pessoas sofreram, judeus, poloneses, ciganos, russos e pessoas de outras nacionalidades. [...] Queremos sensibilizar de maneira geral todos os produtores de jogos sobre o respeito à memória das vítimas do maior campo de concentração nazista da Segunda Guerra Mundial", explicou o porta-voz do museu, Pawel Sawicki.

E o Museu de Auschwitz não é o primeiro lugar a solicitar que a geolocalização seja retirada. Nesta terça-feira (12), o Museu do Holocausto dos Estados Unidos pediu que os visitantes não joguem Pokémon GO no local. Em comunicado, o diretor do museu informou que também entrou em contato com a Niantic para a remoção dos Pokémon do ambiente em respeito à memória das vítimas do holocausto.

Fonte: G1