Melhores jogos com temas distópicos para celular

Melhores jogos com temas distópicos para celular

Por Rodrigo Folter | Editado por Bruno Salutes | 16 de Agosto de 2021 às 19h40

Fazem bons anos que vemos diferentes mídias entregando histórias sobre distopias. Acompanhamos a segregação através de Harry Potter e a importância da educação em um ambiente distópico e sentimos a adrenalina ao redor da Estrada da Fúria assistindo a Max e Furiosa. Os jogos também seguem a tendência dos últimos anos com excelentes produções em universos similares.

Fortemente influenciados por clássicos como 1984 e Admirável Mundo Novo, passamos a vivenciar esses momentos tensos que a ficção nos traz, tomando decisões difíceis e nos fazendo pensar sobre como cometemos os mesmos erros que levam a caminhos similares em diferentes produções.

Série Beholder

  • Compatibilidade: Android, iOS
  • Preço: R$ 29,99 para Android e R$ 44,90 para iOS
  • Tamanho: cerca de 1,2 GB para Android e 1,8 GB para iOS (versão 1.7)

Originalmente lançado em 2016 pela Warm Lamp Games, Beholder mostra a vida dentro de um regime totalitário onde o país é controlado pela polícia. A série foi fortemente influenciada por George Orwell e Aldous Huxley, famosos autores do gênero. No primeiro jogo controlamos Carl, um recém contratado pelo Estado para cuidar de uma hospedagem e espiar a vida dos inquilinos, no segundo acompanhamos um empregado do Ministério, entregando mais poder ao jogador.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

As mecânicas do jogo são simples e não existe um sistema de combate, apenas estratégia de quando colocar câmeras nos apartamentos e áreas comuns do prédio. O jogo se complica a partir das escolhas que o jogador tem que fazer, implicando em questões morais que podem significar a vida das pessoas a sua volta e você escolhe entre ficar do lado do Estado ou ajudar as pessoas a viver de maneira digna.

Tanto o primeiro quanto o segundo jogo da série foram recebidos de forma positiva pela crítica e nos fazem questionar as ações do Estado, primeiro como uma pessoa vivendo e trabalhando para ele e no segundo como um membro ativo da hierarquia do regime.

Inserido na hierarquia do estado tome decisões nesse jogo cheio de questionamentos morais (Imagem: Rodrigo Folter/Captura de tela)

The Silent Age

  • Compatibilidade: Android, iOS
  • Preço: primeiro episódio gratuito (demais episódios através de compras internas)
  • Tamanho: cerca de 240 MB para Android e 1,5 GB para iOS (versão

Lançado em 2013, The Silent Age faz uma simples pergunta para o jogador: Um João qualquer poderia salvar a humanidade? E é este quem você controla, um zelador que faz parte de uma empresa um futuro onde a humanidade foi praticamente extinta, mas algumas coisas não mudam, como a hierarquia.

O jogo é um point and click que combina muito bem com os aparelhos móveis. O jogador precisa subir e descer os andares enquanto coleta objetos e resolve quebra-cabeças para avançar e descobrir o mistério escondido em uma empresa que, supostamente, cuida dos cidadãos.

A obra da House on Fire foi muito bem recebida e levou prêmios pela sua história profunda contada através de mecânicas simples e animação bela, resultando em uma experiência inesquecível.

Como um empregado de uma grande empresa, você consegue salvar o mundo? (Imagem: Rodrigo Folter/Captura de tela)

République

  • Compatibilidade: Android, iOS
  • Preço: primeiro capítulo gratuito (jogo completo através de compras internas)
  • Tamanho: cerca de para Android e 3,2 GB para iOS

Esteve presente na produção de République um grupo de veteranos de peso, que fizeram parte de Metal Gear, Halo e F.E.A.R. e entregaram um jogo que conta uma intensa história que foca nos perigos da facilidade de acesso a informação na era da internet.

Controlando várias câmeras, o jogador deve guiar Hope (esperança em inglês) até a liberdade, a mantendo a salvo de perigos, eliminando oponentes e adquirindo informações conforme progride nesse hostil universo.

Através de dubladores consagrados da indústria, como Jeniffer Hale e Matthew Mercer, existe um senso de legitimidade por todos os cantos do universo e o estilo point and click da ação encaixa perfeitamente na palma de nossas mãos.

Controle câmeras e ajude a protagonista a superar os desafios (Imagem: Rodrigo Folter/Captura de tela)

Redcon

  • Compatibilidade: Android, iOS
  • Preço: gratuito (compras internas opcionais)
  • Tamanho:

A Hexage altera a história e nos introduz a uma realidade onde a Primeira Guerra Mundial nunca acabou e a devastação por conta disso transformou o mundo em um lugar inóspito, cheio de ruínas. Todas as nações, exceto uma, se uniram formando um estado chamado Empire State, e lutam contra os Krux, exército que ameaça o mundo.

Como o Strike, cabe ao jogador liderar investidas contra as bases inimigas para tentar acabar com o inimigo através de gerenciamento e combate em tempo real contra o computador. O jogador pode pausar para tomar decisões baseado no que acontece e assim melhorar as suas chances de vitória.

Altamente customizável, essa produção dá total comando ao jogador para vivenciar os horrores do conflto, decorrência da ganância e violência do homem e em busca de acabar com tirano, existe o questionamento sobre os meios justificarem os fins.

Personalize o seu arsenal e entre em combate contra o inimigo nesse mundo devastado pela guerra (Imagem: Rodrigo Folter/Captura de tela)

Despotism 3k

  • Compatibilidade: Android. iOS
  • Preço: R$ 13,99 para Android e R$ 16,90 para iOS
  • Tamanho: cerca de 50 MB para Android e 210 MB para iOS (versão 1.2 para Android e 1.0 para iOS)

A Konfa Games nos leva para um universo distópico de uma maneira diferente. Dessa vez, não fazemos parte de nenhuma revolução, mas sim nos tornamos o próprio déspota em um universo controlado por uma IA que monitora os seres humanos e os obriga a servir a ela.

É uma ideia interessante e levanta os questionamentos morais de forma mais intensa já que devemos tomar as decisões que manterão, ou não, os seres humanos vivos. Basicamente é um jogo de gerenciamento com toques de rogue-like e humor ácido.

Despotism é outro jogo que requer tempo para compreender totalmente como as coisas funcionam. Paciência e observação são necessários para manter tudo em ordem, mas a que custo?

Viva como o déspota nesse curioso jogo que questiona por te colocar como o vilão (Imagem: Rodrigo Folter/Captura de tela)

Qual jogo em um universo distópico é o seu favorito? Conta para nós nos comentários.

Fonte: The Silent Age, Osmotic Studios, Hexage

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.