Disney é acusada de vender dados de usuários infantis para fins de publicidade

Por Redação | 07.08.2017 às 09:45

Uma ação de classe registrada na última semana na justiça dos Estados Unidos afirma que a Disney está rastreando dados de jogadores infantis para utilização em ferramentas de publicidade. No processo, a companhia é acusada de infringir uma lei federal que impede esse tipo de prática, coletando dados dos usuários de um título chamado Disney’s Princess Palace Pets.

Disponível apenas para iOS, o game permite que os jogadores criem cães e gatos com a aparência das Princesas da Disney, personalizando aparência, cores e acessórios. O jogo é voltado para crianças pequenas e tem download gratuito. O processo, entretanto, afirma que a monetização é feita por meio da coleta de informações como localização, histórico de navegação e outros aplicativos utilizados no dispositivo móvel.

Movido por um grupo de pais do estado da Califórnia, o processo também atinge outras empresas como a Unity, responsável pelo motor gráfico do game, e a Upsight e Kochava, que seriam as responsáveis pela aplicação do sistema de registro de informações. Outros títulos da Disney também são citados nos documentos, todos com o objetivo de “explorar as informações pessoais das crianças”, os vendendo a terceiros para fins de publicidade direcionada.

Por mais que seja lugar-comum na indústria mobile, esse tipo de coisa tem séries restrições de acordo com as leis dos Estados Unidos. O país conta com um conjunto de normas chamado COPPA (Ato de Proteção à Privacidade Online Infantil, na sigla em inglês), que regula a coleta de dados de uso em sites, aplicativos e serviços voltados para crianças abaixo dos 13 anos de idade.

Entre as exigências estaria a obrigatoriedade de autorização pelos pais para que o registro acontecesse, além de restrições quanto à venda e utilização comercial de tais dados. Ambos são questões que, afirma o processo, a Disney falhou em cumprir. Essa não é a primeira vez que a empresa se envolve em uma polêmica como essa. Em 2011, ela foi obrigada a pagar uma multa de US$ 3 milhões justamente por coletar e vender informações de usuários de pouca idade sem consentimento dos pais.

Além de uma mudança na abordagem da Disney, a ação de classe pede compensação, mas não fala em valores. O processo aguarda, agora, a deliberação de um juiz para seguir adiante. A Disney não comentou sobre o assunto, assim como as outras empresas citadas.

Fonte: Gizmodo