Site chinês usa ferramentas da própria Apple para distribuir apps piratas

Por Redação | 19.04.2013 às 13:20
photo_camera Terra

O site pirata chinês 7659 está utilizando as ferramentas de licenciamento de empresas da Apple para distribuir versões gratuitas de aplicativos que estão disponíveis na iTunes App Store. O licenciamento de empresas da Maçã é utilizado para que os desenvolvedores enviem versões in-house de suas aplicações para funcionários sem ter que lidar com os trâmites da loja de aplicativos, funcionando através de um perfil de desenvolvedor que facilita o envio de aplicações sem o jailbreak.

A página está disponível apenas para os usuários chineses, mas ela pode ser acessada em qualquer parte do mundo através de uma conexão proxy. Segundo o VentureBeat, o 7659 possui diversos aplicativos que podem ser baixados gratuitamente, mas que, pelos meios oficiais, só podem ser feitos de forma paga, como é o caso do 'Final Fantasy V', que custa US$ 15,99 (R$ 32) na App Store.

"Primeiro, gostaríamos de agradecer a todos os usuários da Apple no mundo todo e seu suporte à Kuaiyong. As estatísticas têm mostrado que uma quantidade significativa de usuários da Apple está baseada na China. No entanto, o fato é que, na China, um grande número de usuários da Apple não está muito familiarizado com o iTunes e nem como gerenciá-lo de forma eficaz", afirmou em nota a Kuaiyong, empresa responsável pelo site 7659. "Para que os fãs chineses da Apple possam fazer download de aplicativos de forma segura, a Kuaiyong desenvolveu seu próprio método para oferecer milhares de aplicativos gratuitos sem ter que desbloquear seu aparelho".

Site chinês 7659

Reprodução: VentureBeat

A empresa ainda afirma que oferece versões de testes dos aplicativos, descrições detalhadas sobre produtos, aplicativo gratuito de gerenciamento do iOS e sistema de backup de arquivos em áudio e vídeo. E eles afirmam que com a introdução do 7659 no mercado chinês, a porcentagem de aparelhos locais com jailbreak diminuiu de 60% para 30%. Por enquanto, a Apple não se pronunciou publicamente sobre o método usado pelo site chinês para disponibilizar aplicações.