YouTube lança sistema de patrocínios para canais de games

Por Redação | 20 de Setembro de 2017 às 11h10

O YouTube lançou nesta terça-feira (19) uma nova forma de monetização para canais de games. De forma semelhante ao que acontece no Twitch, os fãs agora poderão patrocinar mensalmente seus criadores de conteúdo favoritos, pagando, no Brasil, uma taxa mensal de R$ 7,99 para prestarem apoio e receberem uma série de regalias exclusivas em troca.

Logo de início, os apoiadores receberão um selo especial, que aparecerá durante as transmissões ao vivo e comentários, acesso a um chat exclusivo e imunidade do sistema anti-spam, que impede a publicação de mensagens sucessivas durante streamings. Além disso, cada canal pode oferecer diferentes formas de recompensas, como emojis especiais, vídeos exclusivos de bastidores, conversas ao vivo e outras modalidades especiais para atrair mais assinantes e, claro, contribuições.

A novidade já está disponível para todos os canais que tenham mais de mil inscritos, mas funciona somente a partir do YouTube Gaming, a versão da plataforma voltada para os jogos eletrônicos. De acordo com a plataforma, testes já estão sendo realizados com criadores de outros temas, com o feedback da versão para games também servindo como forma de avaliar o que pode ser feito em relação aos outros.

Sistema de patrocínio dá regalias exclusivas a criadores do YouTube

Os experimentos relacionados a criadores de conteúdo em jogos, inclusive, foi visto com ótimos olhos pela Google. A empresa citou números impressionantes, como o do canal Rocket Beans, que conseguiu 1.500 patrocinadores em um único dia, enquanto outro, o GameAttack, conseguiu modificar sua monetização de forma a ter a maior parte de sua receita oriunda diretamente de contribuições dos fãs, por meio dos patrocínios e também do Super Chat, o sistema de doações da plataforma.

Com isso, o YouTube anunciou o fim dos canais pagos, que considerou uma alternativa malsucedida. Apenas 1% dos elegíveis adotou a mecânica que permitia fechar completamente o acesso ao conteúdo, que seria liberado somente mediante assinatura. É a mesma dinâmica dos serviços de streaming, mas que, para os criadores de conteúdo, não parece ter funcionado.

Além disso, a novidade pode ser encarada como uma fronta do YouTube ao Patreon, método bastante utilizado pelos criadores para levantar financiamento diretamente junto à comunidade. O funcionamento é basicamente o mesmo, com os contribuintes tendo acesso a conteúdos e recompensas exclusivas, um montante que, agora, o YouTube quer trazer para os próprios cofres.

Fonte: YouTube

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.