Uberlândia, melhor cidade em infra de telecom no país, vira modelo para SP

Por Redação | 22.11.2016 às 19:40
photo_camera Divulgação

A cidade de Uberlândia, localizada no Triângulo Mineiro, está servindo de exemplo para todo o Brasil. Eleita a cidade mais "amiga da banda larga", Uberlândia ficou em primeiro lugar em um ranking elaborado pelas empresas com os municípios onde é menos difícil implantar a infraestrutura.

“Na próxima semana vamos levar o case de Uberlândia para o [prefeito eleito de São Paulo] João Dória adotar na maior cidade do país”, comunicou o presidente da Associação Brasileira de Telecomunicações, e da Algar, Luiz Alexandre Garcia, durante o Painel Telebrasil 2016, realizado nesta semana em Brasília.

O painel premiou o prefeito da cidade, Gilmar Machado, que viabilizou e patrocinou mudanças legais no município, e também discutiu as principais dificuldades acerca da ampliação das redes — em outras palavras: instalação de antenas. E segundo o ranking das empresas amigas da banda larga, as maiores metrópoles do país são as mais complicadas no quesito implantação de redes.

O ranking avaliou as 100 maiores cidades do Brasil. Só para ter uma ideia, Brasília, a terceira maior região metropolitana do país, ficou em 90º lugar. É seguida por São Paulo (91), Porto Alegre (92), Fortaleza (94), Goiânia (96) e Belo Horizonte (98). Juntas com Ribeirão Preto (93), Contagem (95), Niterói (97), São José do Rio Preto (99) e Petrópolis (100), o pé da lista reúne cerca de 25 milhões de pessoas.

Requisitos

Para formar o ranking, vários requisitos foram levados em consideração: restrições, burocracia, prazo e onerosidade para a implantação da infra. Quanto maiores estes fatores, mais difícil é a implementação e, nas piores condições, uma licença não sai em menos de seis meses.

“Mesmo a melhor cidade, Uberlândia, leva três meses para autorizar, quando a lei fala em dois meses. A ideia é que não apenas sejam premiados os melhores colocados, mas também mostrar as que evoluíram mais. O objetivo do ranking é incentivar as prefeituras a se mexerem e reverem sua legislação”, explicou Eduardo Tude, da consultoria Teleco, responsável pelo ranking.

Confira a lista completa:

  1. Uberlândia
  2. Cascavel
  3. São José dos Pinhais
  4. Várzea Grande
  5. São Luís
  6. Blumenau
  7. Duque de Caxias
  8. Guarulhos
  9. Rio Branco
  10. Juiz de Fora
  11. Ponta Grossa
  12. Cuiabá
  13. Canoas
  14. Porto Velho
  15. Palmas
  16. Curitiba
  17. Macapá
  18. Nova Iguaçu
  19. Taboão da Serra
  20. Santarém
  21. São José dos Campos
  22. Campos dos Goytacazes
  23. Suzano
  24. Mogi das Cruzes
  25. Cariacica
  26. Guarujá
  27. São Gonçalo
  28. Teresina
  29. Ananindeua
  30. Florianópolis
  31. Campo Grande
  32. Betim
  33. Joinville
  34. São João de Meriti
  35. Petrolina
  36. Gravataí
  37. Vitória
  38. Aparecida de Goiânia
  39. Bauru
  40. Belford Roxo
  41. Caruaru
  42. Paulista
  43. Recife
  44. Itaquaquecetuba
  45. Diadema
  46. Franca
  47. Camaçari
  48. Anápolis
  49. Jaboatão dos Guararapes
  50. Belém
  51. Vila Velha
  52. Serra
  53. João Pessoa
  54. Osasco
  55. Aracaju
  56. Carapicuíba
  57. Olinda
  58. Limeira
  59. Governador Valadares
  60. Salvador
  61. Campinas
  62. Natal
  63. Santa Maria
  64. Rio de Janeiro
  65. Pelotas
  66. Mossoró
  67. Campina Grande
  68. Boa Vista
  69. Mauá
  70. Sorocaba
  71. Maceió
  72. Montes Claros
  73. Jundiaí
  74. Santos
  75. São Bernardo do Campo
  76. Maringá
  77. Vitória da Conquista
  78. Santo André
  79. Caxias do Sul
  80. Ribeirão das Neves
  81. São Vicente
  82. Caucaia
  83. Manaus
  84. Taubaté
  85. Uberaba
  86. Piracicaba
  87. Praia Grande
  88. Feira de Santana
  89. Londrina
  90. Brasília
  91. São Paulo
  92. Porto Alegre
  93. Ribeirão Preto
  94. Fortaleza
  95. Contagem
  96. Goiânia
  97. Niterói
  98. Belo Horizonte
  99. São José do Rio Preto
  100. Petrópolis

Via Convergência Digital

Acesse o Raking (Telco)