Tudo o que você precisa saber para começar o dia (27/04)

Por Redação | 27 de Abril de 2017 às 07h59
photo_camera PaintImpact/Flickr

A semana entra em sua reta final e, com ela, já começamos a nos despedir de abril. No entanto, esse restinho de mês ainda nos reserva algumas novidades — nem que elas sejam mais leves para que a gente já entre no clima do feriado que se aproxima. Afinal, depois de uma saraivada de notícias ruins vindas de Brasília, tudo o que queremos é um pouco de leveza em nossos hobbies. Prova disso é que bastou um único Pokémon raro aparecer em Curitiba para mobilizar um exército de treinadores até o local para tentar capturar o monstrinho. Para quem achava que o game Pokémon GO já tinha morrido, o surgimento de um Unown em uma região da capital paranaense revelou que a realidade é bem diferente e que o game continua ainda com um bom número de jogadores. O Pokémon em forma de letra é uma das raridades da segunda geração e apareceu em um bairro um pouco mais afastado do centro da cidade, mas isso não impediu que o pessoal corresse até o local em táxis, Uber ou mesmo de carro, moto e ônibus para arremessar suas Pokébolas.

Saindo das ruas e indo para o Facebook, qual a sua surpresa em saber que o Google tem uma página na rede social de Mark Zuckerberg? Pois a divisão brasileira da empresa não só mantém o espaço atualizado como trouxe uma capa um tanto quanto curiosa para seu perfil. Em vez daquele viés institucional que as empresas adoram adotar em seus espaços oficiais, o Google Brasil fez um enorme compilado de memes, trazendo desde o Nyan Cat e da desconfiada Chloe até os clássicos Grumpy Cat, Dinoffauro e a nossa brasileiríssima Giovana e seu forninho caindo. O mais divertido é que, diante da reação das pessoas, a própria empresa passou a responder os comentários com mais memes e piadas, o que deixou todo mundo enlouquecido com a brincadeira. É o tipo de interação que você certamente não vai encontrar no Google+.

Apesar de muito popular, FaceApp foi acusado de racismo ao "branquear" pessoas negras

E, como não poderia deixar de ser, temos novos rumores sobre o iPhone 8. Depois de um período sem grandes novidades, eis que um novo vazamento vem à tona para mostrar mais uma característica do próximo smartphone da Apple. No caso, parece que o aparelho não trará o sensor de impressão digital na parte traseira, como havia se especulado anteriormente, mas contaria com uma opção de carregamento sem fio. Em uma imagem liberada nesta semana, é possível ver alguns detalhes internos do smartphone que sugerem essa característica, principalmente por causa de um misterioso círculo desenhado no centro do aparelho. É claro que, na prática, isso não confirma nada, mas reforça um rumor que já vem circulando há muito tempo e que adicionaria uma função ao iPhone que os fãs esperam há tempos. Será que agora vai?

Enquanto as coisas não se confirmam com a Apple, os usuários seguem brincando com os aplicativos do momento. Desta vez, o novo queridinho dos brasileiros é o FaceApp, um serviço desenvolvido por uma empresa russa que permite fazer várias transformações em suas fotos com apenas um clique. O app utiliza um sistema de inteligência artificial chamado rede neural para mapear o rosto na imagem e aplicar modificações de maneiras bem precisas. Assim, ele consegue adicionar um sorriso em quem parece muito sério, fazê-lo se sentir mais velho ou mais novo ou mesmo garantir aquela transformação para o sexo oposto em questão de segundos. E as mudanças são tão simples de serem feitas que a brincadeira logo tomou as redes sociais, com as pessoas fazendo várias e várias montagens com fotos pessoais e até de celebridades, reimaginando todo mundo como crianças, velhos ou com uma radical mudança de gênero.

Por fim, para lembrar que a vida não é essa brincadeira toda e que ainda há muitas questões sérias para serem tratadas, a família de um engenheiro da Uber que tirou a própria vida está acusando a empresa de ser a responsável pelo suicídio. Segundo os familiares, Joseph Thomas acabou tomando essa medida desesperada exatamente por causa das péssimas condições de trabalho fornecidas pela companhia, o que teria causada sérios danos psiquiátricos ao engenheiro ao longo de apenas cinco meses. A viúva relata que o marido se tornou uma pessoa estressada e que desenvolveu um comportamento obsessivo e autodepreciativo, adotando um discurso inseguro e realizando longas horas de trabalho para tentar compensar esse “problema” que a empresa apontava nele. Além de toda essa hostilidade, a família cita ainda o racismo dentro da corporação como uma das razões que fizeram com que o Thomas tirasse a própria vida. Diante disso tudo, os familiares pedem uma indenização de US$ 722 mil para a Uber. E essa é apenas mais uma ação que a companhia coleciona, principalmente por questões trabalhistas e de assédio.