Tudo o que você precisa saber para começar o dia (25/04)

Por Redação | 25.04.2017 às 08:00

O mês de abril já está em sua reta final, mas o clima de despedida está longe de ser monótono ou meramente tranquilo. Embora estejamos na última terça-feira do mês e o ritmo de novidades é intenso, principalmente por causa de algumas bombas e polêmicas que não param de chegar — envolvendo, inclusive, alguns aparelhos mais do que badalados do mercado, como é o caso do Galaxy S8. O novo smartphone da Samsung acabou de chegar às lojas e já vem sendo alvo de muita controvérsia, principalmente ao apresentar o pior desempenho da história em um renomado teste de durabilidade, o SquareTrade. A ideia do teste é exatamente ver o quanto o celular resiste ao cair no chão e a surpresa foi que ele não aguenta praticamente nada, já que ele foi danificado já na primeira tentativa — cortesia de seu corpo de vidro. Além disso, essa mesma estrutura também mostrou que a manutenção do aparelho não é nada fácil, o que mostra que a belíssima tela trazida pela Samsung acabou tendo seu preço.

Já no campo da Lenovo, tivemos o vazamento de uma suposta imagem do Moto Z2 Play, o sucessor do novo queridinho da fabricante. A imagem foi feita digitalmente a partir de rumores e especificações surgidas ao longo dos últimos dias e mostra um aparelho sem grandes alterações em relação àquilo que a primeira geração já apresentava. A principal mudança ficou por conta do sensor biométrico na parte inferior, que ficou um pouco maior e mais próximo daquilo que foi apresentado no Moto G5. Além disso, vemos um celular levemente mais fino, mas mantando o mesmo design do primeiro Moto Z exatamente para que os usuários possam reaproveitar seus Moto Snaps, provando os módulos do aparelho foram aprovados tanto pela fabricante quanto pelo público. Por causa disso, o Moto Z2 Play surge sem grandes alterações em seu desenho e mantendo os conectores magnéticos na sua parte traseira.

Para quem já estava com saudades de polêmicas envolvendo a Uber, saiba que a empresa quase foi banida do iOS após o presidente a Apple, Tim Cook, descobrir que a companhia estava rastreando seus usuários em segredo — incluindo pessoas que já haviam deletado o aplicativo de seus celulares. Diante dessa grave violação de privacidade, o próprio Cook marcou uma reunião com o CEO da Uber, Travis Kalanick, para alertá-lo sobre as consequências de continuar com a prática. De acordo com Kalanick, essa “micro espionagem” era feita para evitar fraudes cometidas por usuários, que poderiam criar mais de uma conta no serviço para ganhar vários benefícios. Ainda assim, o presidente da Apple convenceu o executivo a rever suas práticas e hpje a Uber diz evitar esses truques a partir de soluções menos invasivas.

Imagem mostra que Moto Z2 Play vai mudar muito pouco o seu design, muito por causa dos módulos da Lenovo

E já que estamos falando de roubo de dados, isso acabou virando caso de polícia aqui no Brasil. Conhecido por sua atuação na área da educação, o grupo Estácio registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia do Rio de Janeiro afirmando que integrantes da área de Tecnologia da Informação roubaram dados confidenciais do atual CEO da entidade, Pedro Thompson, causando um "consequente vazamento de informações expostas na mídia". Os acusados são funcionários e ex-funcionários da empresa, que teriam tido acesso ao computador do executivo e realizado o roubo de informações, incluindo conversas de Thompson com a sua advogada sobre um processo de fusão da empresa com outra companhia que tentava atrasar. Ainda não se sabe, porém, as motivações que fizeram os suspeitos a cometerem o vazamento. O crime segue ainda sob investigação.

Por fim, já que é para falar de Brasil, o cartão de crédito queridinho dos brasileiros fechou o ano passado com resultados não tão animadores assim. Embora a Nubank tenha crescido bastante em 2016, ela fechou o ano de 2016 com um prejuízo de R$ 122 milhões. A razão, segundo a empresa, é que o rápido crescimento da companhia aumentou também os gastos com produção e emissão dos cartões. Não por acaso, a receita também aumentou consideravelmente a 2015: saltou de R$ 10,4 milhões para R$ 77,09. Por causa disso, de acordo com o diretor financeiro da Nubank, Gabriel Silva, a empresa não vê a situação como sinal de desespero e tampouco os acionistas parecem incomodados com a estratégia adotada. Tanto que a previsão é que esse tipo de resultado se mantenha nos próximos anos ao mesmo tempo em que a empresa segue expandindo seus negócios — inclusive para áreas mais rentáveis, como a criação de uma financeira própria, o que ajudaria a diminuir as perdas. No entanto, para essa nova etapa, a Nubank ainda precisa de aprovação.