Tudo o que você precisa saber para começar o dia (09/09)

Por Redação | 09.09.2016 às 08:00

Uma semana com “duas” sextas-feiras é certamente uma semana mais feliz. A gente mal voltou do feriado e já estamos dando tchau para o trabalho mais uma vez, o que é certamente muito positivo. Sim, a gente segue comemorando todo e qualquer descanso que possa aparecer da mesma forma com que a Apple continua sendo o centro das atenções após o anúncio de seu novo iPhone 7.

Após revelar os novos modelos de seu smartphone, a grande dúvida que surge é exatamente quando a empresa vai trazer os novos aparelhos para o Brasil, o que ainda continua sem respostas. A ansiedade em torno do lançamento é tanta que já teve gente revirando o histórico da companhia para descobrir quais os modelos do dispositivo deverão chegar por aqui. Ao todo, existem três edições correntes no mercado, comercializadas por operadoras específicas ou disponíveis somente em alguns países. Em tese, pouco muda em relação à tecnologia utilizada, principalmente porque todas elas serão compatíveis com o 4G brasileiro, o que facilita a importação. Mas o que se supõe é que a Apple deve trazer para o nosso país os mesmos modelos comercializados pela AT&T e T-Mobile, considerados mais compatíveis com as tecnologias que temos aqui.

E, como não poderia deixar de ser, o foco do iPhone 7 em fones de ouvido sem fio ainda vem dando muito o que falar. Após anunciar que os AirPods custarão US$ 159 — ou ridículos R$ 1.399 —, não faltaram críticas para a empresa. Já criaram petição online, reclamaram e xingaram muito no Twitter. A principal queixa é de que milhões de fones ficarão obsoletos, embora a própria Apple ofereça um adaptador para Lightning para impedir que isso aconteça. E teve até gente que desenterrou uma entrevista antiga de Steve Jobs mostrando que a grande cabeça da Apple também era contra essa ideia, dizendo que não fazia sentido trazer um fone wireless porque era só criar um novo acessório para consumir bateria e que ele não via sentido nisso. Bem, o jogo virou. E, de quebra, a Beats anunciou uma nova leva de fones já adaptados para o iPhone 7 que são tão lindos quanto caros. Os valores variam de US$ 150 a US$ 300 de acordo com o modelo, ou seja, de R$ 480 a R$ 960. Se eles já eram caros antes, imagine agora.

Fechando o apanhado de notícias da Apple, a empresa aproveitou o anúncio do iPhone 7 para dar um adeus definitivo a modelos mais antigos. Prova disso é que ela encerrou as vendas do iPhone 6 e iPhone 6 Plus, que simplesmente sumiram de sua loja oficial. Porém, isso não chega a ser uma grande surpresa, já que é o tipo de coisa que sempre acontece com a chegada de uma nova geração de smartphones. Paralelo a essa remoção, os seus modelos subsequentes — iPhone 6s, iPhone 6s Plus e iPhone SE — já aparecem com preço reduzido, o que é uma excelente opção para quem quer um smartphone novo, mas não quer desembolsar tanto pelos novos modelos. Além disso, a primeira geração do Apple Watch também teve um corte de preço com o anúncio de seu sucessor, o que tornou o gadget um pouco mais acessível.

AirPods

Nem Steve Jobs apoiaria os AirPods: segundo ele, não faz sentido mais um acessório para carregar bateria

Partindo para o mundo dos games, a Ubisoft revelou qual será o game que ela vai dar de graça para os jogadores em setembro dentro do programa Ubi30, o qual comemora o trigésimo aniversário da companhia. Após Prince of Persia: The Sands of Time, Splinter Cell e Rayman Origins, o próximo jogo a ser distribuído gratuitamente para os fãs será The Crew, o game de corrida lançado em 2014 e que agradou os fãs de velocidade que procuravam algo diferente no gênero. O título poderá ser baixado a partir da próxima quarta-feira, 14 de setembro, pelo site oficial da empresa. Para validar o game, entretanto, é preciso ter uma conta no Uplay, a plataforma do estúdio. A promessa é trazer mais games até o fim do ano, o que significa que ainda nos restam mais três jogos. Alguma aposta de quais serão?

Por fim, a Niantic finalmente oficializou a data do Pokémon GO Plus, o acessório que promete facilitar a vida dos jogadores. A pulseira estará disponível nos Estados Unidos e em alguns outros países a partir do próximo dia 16 de setembro, também conhecida como sexta-feira que vem. Ela custará US$ 35 (R$ 112) e vai permitir que os treinadores coletem itens em PokéStops e até capturem Pokémon sem tirar o smartphone do bolso. Para isso, o sensor emite um pequeno alerta quando passa por um ponto de interesse e basta o usuário apertar um pequeno botão no gadget para que a ação correspondente aconteça. Isso deve oferecer muito mais segurança, já que você não precisa mais se expor durante suas caçadas — embora andar com uma Pokébola no pulso não seja nada discreto. De acordo com a empresa, a expectativa é que o Pokémon GO Plus seja lançado em países da América do Sul até o fim de ano. Será que ela estava falando do Brasil?