Tudo o que você precisa saber para começar o dia (06/04)

Por Redação | 06 de Abril de 2017 às 07h07
photo_camera Divulgação

Ok, essa é uma semana realmente em que nada parece fazer sentido. De casos insólitos a grandes polêmicas, os últimos dias foram de intensas reviravoltas em toda a internet. E engana-se quem acredita que isso mudou nesta quinta-feira (06). Na verdade, as coisas ficaram ainda mais intensas e bombásticas, a começar pelos desdobramentos da votação da Câmara dos Deputados sobre a possível proibição do Uber que complica ainda mais a vida do serviço no Brasil. Embora os parlamentares não tenham vetado a utilização de aplicativos do gênero no país, eles impuseram uma série de outras pequenas barreiras e jogaram a decisão de volta para os municípios, o que dificulta a regularização desses serviços. A coisa ficou tão burocrática que até mesmo cidades em que a plataforma já é liberada, como São Paulo, terão de fazer uma nova autorização. Isso porque os deputados deixaram de classificar esse serviço como algo de natureza privada e passou englobar como público, o que exige uma nova legislação e uma série de outros procedimentos. E, enquanto os veículos não se adequarem a essas novas normas — o que inclui desde o cadastro de motoristas a utilizar a placa vermelha —, as corridas ficam proibidas.

Partindo para o Facebook, a rede social anunciou uma nova ferramenta para reduzir a quantidade de “pornôs de vingança”, ou seja, quando alguém compartilha fotos íntimas de antigo relacionamento apenas para se vingar do término ou de qualquer coisa semelhante. A partir de agora, qualquer tentativa de exposição indevida vai ser previamente bloqueada pela empresa e o usuário vai receber uma mensagem de que aquele conteúdo viola as políticas do site. E esse sistema não vai se limitar somente ao Facebook, mas também a outros serviços sob seu guarda-chuva, como o Messenger e o Instagram. A novidade vai usar a tecnologia de photo-matching, ou seja, cruzando informações entre fotos de um determinado usuário. Além disso, o sistema de denúncias continua valendo e há uma equipe dedicada em analisar esses casos dentro da companhia para dar agilidade às apurações. Se comprovada a violação, a imagem é apagada e, dependendo do caso, o engraçadinho que a divulgou pode ter sua conta suspensa.

Outro assunto que fez a internet pegar fogo foi o misterioso caso do menino do Acre, que ganhou novos desdobramentos. Ao que tudo indica, antes de desaparecer, o jovem Bruno Borges deixou para trás chaves que decodificam os códigos que utiliza em seus misteriosos livros. Segundo a família e a polícia, são pelo menos quatro códigos que ele utilizou em seus textos e que alguns trechos já começaram a ser revelados. De acordo com a irmã do rapaz, Gabriela Borges, o problema é que estamos falando de 14 livros e isso exige muito tempo e paciência. Além disso, o conteúdo desses manuscritos também é bem denso, indo desde textos de filosofia sobre a procura pela “verdade absoluta” até algo que ele chama de “A teoria da absorção do conhecimento”. Aliás, os olhos vivos da internet também identificaram algo, no mínimo, curioso: os códigos usados por Bruno são muito parecidos com o “código secreto marciano” presente no Manual do Escoteiro Mirim, da Disney, publicado no Brasil na década de 1970 pela editora Abril.

Deixando esses mistérios e bizarrices para trás, os rumores sobre o iPhone 8 voltaram a circular para a alegria dos fãs da Apple que estavam sentindo saudades de ver suposições sobre o aparelho. Desta vez, contudo, as notícias não são muito boas. Segundo um site chinês, a empresa estaria com problemas com um de seus fornecedores na hora de produzir as telas e que, por isso, o novo modelo do smartphone teria de ser adiado por alguns meses. Assim, ao invés de chegar às lojas em setembro, como se esperava inicialmente, o iPhone 8 estaria pronto somente entre outubro ou novembro. Isso porque a Apple passaria a usar uma nova tecnologia em suas telas e isso exigiria um processo que os fornecedores ainda não dominaram completamente. Como era de se esperar, ninguém confirmou o rumor.

Por fim, aquela zoeira vai e vem do espaço. O renomado físico Neil deGrasse Tyson parece não estar nada empolgado com os avanços de Elon Musk e da SpaceX em termos de levar o homem a Marte. Tanto que, durante uma entrevista realizada nesta semana, o cientista disse que só embarcaria em uma nave e seguiria em viagem para fora de nosso planeta após o bilionário fazer isso com a sua própria mãe. O argumento de Tyson é que ele ainda não confia na capacidade de a empresa enviar e trazer de volta as pessoas para a Terra, e por isso da brincadeira com a matriarca da família Musk. Se o filho se sentir confiante o suficiente para fazer isso com a própria mãe, talvez isso mostre uma tecnologia avançada o suficiente para cumprir o que propõe. Apesar de o argumento do físico ser bem bizarra, não podemos dizer que ele está errado.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.