Transmissão de internet pela luz é 100 vezes mais veloz que Wi-Fi

Por Redação | 27.11.2015 às 12:25

Imagine uma internet sem fio como a que estamos acostumados por aí, só que no lugar de uma antena, temos uma lâmpada de LED. É esse, basicamente, o conceito do Li-Fi, uma nova tecnologia de transmissão de dados pelo ar que está sendo testada por cientistas na Estônia. E eles chegaram a uma conclusão bastante promissora recentemente – a tecnologia pode ser 100 vezes mais rápida que o Wi-Fi atual.

De acordo com os experimentos realizados, a luz foi capaz de transmitir dados a uma velocidade de 1 Gbps, ou seja, uma taxa 100 vezes mais rápida que a máxima obtida hoje pelas redes Wi-Fi convencional. A transmissão, claro, não é estável, como toda rede sem fio, mas a tecnologia parece prometer o suficiente para que seja estudada como uma alternativa mais veloz e prática para envio e recebimento de dados, principalmente em grandes ambientes.

Sob o patrocínio da Velmenni, uma companhia especializada em lâmpadas LED que tem interesse na exploração comercial da tecnologia, os testes acontecem em residências e escritórios na capital da Estônia, Tallinn. E o conceito da transmissão é praticamente simples – modulações na iluminação e frequência, de forma imperceptível a olho nu, são emitidas e recebidas pelos dispositivos e transmitem a informação necessária para acesso a dados.

Além da velocidade, outro ponto importante aqui é a segurança. Assim como o Wi-Fi, o Li-Fi fica amplamente disponível para todos que estão em uma sala, independentemente de sua posição, mas como a luz não atravessa paredes, os dados ficam efetivamente contidos ali. Para redes corporativas ou que trafegam informações confidenciais, por exemplo, é uma ótima, uma vez que os dados ficam contidos somente onde eles podem ser acessados, dificultando a ação de hackers que possam tentar interceptá-las.

Outros projetos semelhantes já existem por toda a Europa, e um dos objetivos em comum a todos é a adaptação da estrutura já existente para acesso às redes Wi-Fi, também para uso no Li-Fi. Isso, claro, baratearia os custos de adaptação e também permitiria uma popularização mais rápida da tecnologia. O dia em que vamos acessar a internet pela luz, porém, ainda parece estar um tanto quanto distante.

Fonte: Science Alert