Sigfox quer cobrir principais cidades do Brasil com rede IoT até meados de 2017

Por Rafael Romer | 31 de Outubro de 2016 às 23h47
photo_camera Cripto ID

Fundada em 2010, a francesa Sigfox tem uma ambição considerável: cobrir todo globo com uma nova rede de baixa demanda energética para tráfego contínuo de pequenas quantidades de dados para habilitar o avanço da Internet das Coisas (IoT).

Para cumprir a tarefa, a companhia desenvolve hoje uma tecnologia proprietária baseada no padrão de rede LPWAN (Low-Power Wide-Area Network), conhecido por cobertura ampla (até 100 km em áreas rurais e 3 km em ambientes urbanos) e de baixa potência de transmissão de dados (até 120 mensagens de 12 bytes por dia), mas – principalmente – pelo pequeno consumo de energia.

A alta demanda energética de redes 3G e 4G é considerada hoje um dos grandes impeditivos para o avanço da conexão entre objetos IoT, já que essas redes de dados exigem fontes contínuas de alimentação ou a troca frequente de baterias – o que tem potencial de elevar custos de gerenciamento de uma infraestrutura ou té inviabilizar uma série de casos de uso do IoT.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Com o uso da LPWAN, no entanto, a Sigfox espera criar uma rede que sustente essa troca de dados contínua e em pequenos pacotes no mundo todo, dando suporte para empresas que desejam implementar dispositivos IoT em larga escala sem a preocupação com energia.

"A proposta é ter dispositivos com sensores que podem capturar qualquer dado que você precisar e enviá-lo para a nuvem através da rede LPWAN, onde haverá uma aplicação para que o cliente utilize o dado", explicou o vice-presidente da Sigfox para América Latina, Bertrand Rame, que esteve no Brasil durante a Futurecom 2016 em busca de novos negócios para a empresa.

As antenas da empresa já cobrem hoje 24 países, incluindo toda a França e grande parte da Europa Ocidental, além de partes da Europa Oriental, Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Taiwan, Hong Kong e Estados Unidos, e 8 milhões de dispositivos de baixo consumo energético.

Neste ano, a companhia voltou os olhos também para a América Latina, e já está trabalhando na cobertura do México, Colômbia e Brasil. Através do parceiro local de operação de rede (SNO), a empresa começou a implementação de antenas por aqui em junho e já cobre completamente o Rio de Janeiro. De acordo com Rame, o plano agora é ter as dez principais cidades brasileiras cobertas até a metade do ano que vem, completando São Paulo já nas próximas semanas.

Como a tecnologia da empresa opera na banda ISM, entre 900 e 928 MHz, não há necessidade de registro de banda junto à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o que deve agilizar a cobertura no país.

A expectativa é trazer os primeiros clientes já em 2017 para a rede. O modelo de negócio da empresa é baseado na cobrança de uma taxa anual de US$1 por dispositivo conectado à sua rede, o que tem atraído empresas como a sueca Securitas Direct, que utiliza a rede da Sigfox como redundância para conexão de seus dispositivos de segurança doméstica.

Segundo Francisco Cavalcanti, CEO da parceria local da Sigfox, WND Brasil, a empresa vê duas grandes oportunidades de aplicação da tecnologia no Brasil: o setor agropecuário e o de monitoramento de carga.

Não atoa, a empresa inclui estradas brasileiras na meta de cobertura prevista para 2017 e também já tem feito testes em regiões do Mato Grosso sem acesso a 3G e 4G, onde a aplicação da rede proprietária poderá ser usada para troca de dados entre sensores de dispositivos rurais. A empresa, no entanto, ainda não fechou nenhum negócio no país. "É uma tecnologia nova, mas que lá fora já vem sido testada há anos, funciona bem e tem um custo bem mais baixo do que o GMS, por exemplo", comentou Cavalvanti.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.