Pesquisa revela que 26% dos desenvolvedores de IoT não têm público definido

Por Redação | 04.08.2015 às 09:06

Com a ascenção constante da Internet das Coisas, os desenvolvedores e startups em todo o mundo estão focando em criar novos softwares e hardwares na área. Mas não basta ter a ideia sem ter a certeza de que haverá interesse dos consumidores no futuro.

Esta é exatamente a dúvida de um a cada quatro (26%) dos empreendedores, segundo uma pesquisa realizada pela Vision Mobile chamada "State of the Developer Nation", com 13 mil desenvolvedores de diversas plataformas do mundo.

De acordo com o estudo, 42% dos desenvolvedores de hardware e software da Internet das Coisas estão trabalhando em produtos para o mercado corporativo, 32% para o consumidor final e 26% ainda não sabem qual será o público das suas soluções. Os analistas da Vision acreditam que a explicação para essa incerteza é o fato de que boa parte desses desenvolvedores programam por lazer ou estão aproveitando para aplicar o seu conhecimento atual.

A pesquisa também mostra que há diversas verticais que podem ser beneficiadas por soluções em IoT. Os entrevistados foram questionados sobre para qual delas estão sendo desenvolvidos os seus projetos. Em primeiro ficou "casa conectada", com 42%; depois varejo (33%), manufatura (29%), wearable devices (28%), cidades inteligentes (22%), medicina (21%) e carros conectados (20%).

Entre os profissionais entrevistados, mais da metade dos desenvolvedores móveis se interessam pela Internet das Coisas, cerca de 25% deles estão atuando efetivamente em projetos de IoT e outros 35% pensam em desenvolver na área como um hobby. Para os analistas da Vision, os resultados refletem o fato de que muitas soluções em IoT requerem uma interface em dispositivos móveis e que o conhecimento em programação móvel pode ser aplicado facilmente na tecnologia.