PayPal deixa de aceitar pagamentos para serviços que redirecionam conexões

Por Redação | 05 de Fevereiro de 2016 às 12h52

Em mais uma medida que deve enraivecer aqueles que trabalham em prol da liberdade e privacidade na internet, o PayPal anunciou que vai deixar de aceitar pagamentos para serviços que redirecionam conexões, como as VPNs e ferramentas de SmartDNS. Tais plataformas permitem que os usuários mascarem suas conexões como se fossem de outros países, garantindo navegação anônima ou o acesso a versões internacionais de serviços como o Netflix, por exemplo.

É justamente esse tipo de utilização que está na mira do PayPal. De acordo com a companhia, seus termos de uso incluem cláusulas que impedem sua utilização por plataformas que quebrem leis locais ou internacionais de direitos autorais. Isso vale tanto para serviços em si quanto para produtos e equipamentos que trabalhem desta maneira, cujos fabricantes também não poderão mais oferecer o método como uma forma de pagamento.

As mudanças foram informadas nesta semana aos provedores desse tipo de serviço. No email, o PayPal informa que suas contas agora constam com um caráter “limitado”, indicando que os responsáveis podem movimentar dinheiro ou até realizarem pagamentos com elas, mas não poderão mais receber dinheiro. A indicação é que um novo método seja procurado por eles, uma vez que a decisão é irrevogável.

Para os operadores desse tipo de serviço, entretanto, a decisão caiu como uma pedra, não apenas pelo fato de que ela foi efetivada imediatamente, sem aviso prévio nem tempo para preparação, mas também pela noção de que a medida entra no caminho da liberdade de expressão. Eles citam, por exemplo, os residentes em países cuja rede é altamente controlada e que dependem de VPNs para mandarem informações para o lado de fora e terem acesso à informação.

Entretanto, de acordo com informações preliminares, nem todas as empresas que oferecem esse tipo de serviço estão sendo alvo das mudanças, mas sim, apenas aquelas que propagandeiam sua solução como uma forma de “desbloquear” conteúdo internacional. O PayPal também não é a única companhia a tomar medidas desse tipo, já que recentemente, a Netflix também começou a bloquear contas de usuários que utilizam VPNs para acessar o acervo de outros países, atendendo aos pedidos dos donos de direitos autorais.

Fonte: Torrent Freak