No primeiro trimestre de 2016, ataques de ransomware cresceram 14%

Por Redação | 13.05.2016 às 23:20

Ataques de ransomware, o software malicioso que criptografa arquivos pessoais de computador, cresceram 14% no primeiro trimestre de 2016 em comparação a 2015, segundo relatório de malware da Kaspersky Lab. No período, foram detectados 2.900 novos ataques e, em relação aos últimos três meses do ano passado, o número de usuários atacados cresceu 30%.

Vale destacar que as soluções de segurança da Kaspersky Lab evitaram 372.602 tentativas destes ataques a seus usuários, sendo que 17% deles visavam as empresas.

Teslacrypt (58,4%), CTB-Locker (23,5%) e Cryptowall (3,4%), de acordo com o mesmo relatório, foram as três famílias mais importantes de ransomware detectadas no início do ano. Se você ainda tem dúvida de como elas se propagam, isso acontece, principalmente, por links para páginas web infectadas ou mensagens de spam com arquivos anexos maliciosos.

Cibercriminosos

“Um dos motivos da popularização do ransomware é a simplicidade do modelo de negócios usado pelos cibercriminosos", diz o analista sênior de segurança da Kaspersky Lab no Brasil, Fabio Assolini. Ele também explica que, a partir do momento que o malware infecta o sistema da vítima, reverter a situação sem perda de dados pessoais é quase impossível.

As operações, atualmente, têm seguido duas tendências:

1- Os cibercriminosos exigem resgate por meio de Bitcoins. A operação é anônima e quase impossível de ser rastreada, o que fornece uma grande vantagem aos golpistas;

2 - (RaaS) modelo de ransomware como serviço. Nessa situação, os cibercriminosos se vinculam aos donos do serviço (responsáveis por toda a infraestrutura necessária ao ataque) e pagam uma taxa para eles. Em alguns casos, prometem uma porcentagem dos resgates pagos pelos usuários infectados.

Se o esquema, infelizmente, está ficando cada vez mais profissional, a atenção às ameaças deve estar à altura!

Fonte CIO