Ministro das Comunicações é contra o limite na banda larga fixa

Por Redação | 20 de Abril de 2016 às 16h09
photo_camera Herivelto Batista/Ministério das Comunicações

O Ministério das Comunicações (MC) se posicionou nesta quarta-feira (19) contra a medida das operadoras que pretendem limitar a franquia de dados da internet banda larga residencial no Brasil. Em evento no qual o ministro André Figueiredo assinou três planos de outorgas para radiodifusão, a autoridade foi questionada sobre a polêmica proposta de operadoras como Vivo, Net e Oi.

Segundo Figueiredo, o Ministério está trabalhando na tentativa de manter a oferta de planos sem limites e também para que os contratos em vigência entre clientes e operadoras sejam respeitados. “Já estamos conversando com as teles e propondo um termo de compromisso prevendo que as empresas respeitem contratos em vigor, ou seja, que não apliquem novos custos sobre os seus atuais clientes e que continuem a oferecer pacotes com uso de dados ilimitado”, declarou a autoridade.

A falta do ministro é um alento para quem está preocupado com os rumos da banda larga residencial no Brasil. Isso porque as últimas notícias dão conta de que a Agência Nacional das Telecomunicações (Anatel) não vê nenhum problema na mudança implementada pelas operadoras. Ao contrário, o órgão regulamentou a medida nesta semana, determinando que ela é válida desde que as teles ofereçam ferramentas que permitam ao usuário acompanhar os serviços prestados “de modo funcional e adequado”.

Além disso, o presidente da Anatel João Rezende chegou ao cúmulo de afirmar que um dos principais culpados pela falência do modelo de franquia ilimitada seriam os gamers e seus jogos online, recomendando que as pessoas voltassem aos jogos que não usam a internet. Vamos torcer para que entre as opiniões de Rezende e Figueiredo, prevaleça a do chefe do MC.

Fonte: Ministério das Comunicações