Brasil cresce abaixo da média global em tráfego móvel até 2020, revela pesquisa

Por Rafael Romer | 03 de Fevereiro de 2016 às 14h23

O Brasil crescerá abaixo da média global em tráfego móvel até 2020, revelou a nova edição do relatório Visual Network Index (VNI) Mobile, apresentado pela Cisco nesta quarta-feira (3). De acordo com os dados do levantamento, o tráfego global será oito vezes maior que o atual, como o Oriente Médio e África saltando 15 vezes, e a Ásia-Pacifico, nove vezes. A América Latina deverá crescer na mesma medida da média global, em oito vezes.

O Brasil, no entanto, deverá ficar um pouco abaixo do crescimento médio, registrando um aumento de sete vezes no tráfego de dados móveis, com uma taxa de crescimento anual composta de 45%. "O Brasil acelerou muito por muito tempo e o crescimento passa a ser menos vertiginoso. Assim como a macroeconomia, que afeta os hábitos de consumo, inclusive de dados", explicou o Diretor de Relações Governamentais da Cisco, Giuseppe Marrara.

Nos próximos quatro anos, a maior parte do tráfego móvel global também deverá começar a se deslocar do eixo da América do Norte e Europa para a região da Ásia-Pacífico. A expectativa é que, em 2020, 45% do tráfego móvel estará na Ásia-Pacífico, seguida pela América do Norte, com 11% do total. A América Latina representará 7%.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

No último ano, o Brasil viu um crescimento de 54% em tráfego móvel, considerado "bem satisfatório" e a par com outros países semelhantes, como México, África do Sul e Rússia. Neste ano, por exemplo, o tráfego das redes 4G brasileiras deverá superar o das redes 2G — ainda que em número total de usuários, as redes legadas ainda permanecerão adiante.

De acordo com Marrara, a expansão da conectividade móvel no Brasil nos últimos anos foi puxada principalmente pelo ambiente de competição entre as quatro operadoras que disputam o mercado nacional — um cenário observado em poucos países, geralmente dominados por um número menor de players no setor. A expectativa é que, até 2020, o Brasil tenha 182,1 milhões de pessoas por dispositivos mobile, contra os atuais 170 milhões.

Além disso, o estudo estima que agora outros países latino-americanos comecem a avançar em conectividade, enquanto o Brasil se estabiliza. É o caso do Chile e da Colômbia, que estão acelerando com "um crescimento surpreendente", e da Argentina, onde as perspectivas de melhora do cenário econômico podem puxar o setor de telecomunicações.

Avanço global

De acordo com os dados da pesquisa, o mundo saltará dos atuais 4,8 bilhões de usuários móveis para 5,5 bilhões até 2020, o que deixará 70% da população conectada. O salto no número de conexões móveis deverá ser ainda maior, pulando dos 7,9 bilhões registrados em 2015 para 11,6 bilhões nos próximos quatro anos. A velocidade média global também saltará dos atuais 2 Mbps para 6,5 Mbps — um crescimento de 3,2 vezes.

Junto ao crescimento das conexões móveis, deverá vir um aumento expressivo do consumo do conteúdo em vídeo na web — a expectativa é que o tráfego de vídeo represente três quartos do total do tráfego de dados móveis em 2020. Hoje, os vídeos representam 55% do total.

Em termos de dados totais, o tráfego global anual ultrapassará a marca dos 366 exabytes, superando em oito vezes os atuais 44,2 exabytes. Isso equivale, por exemplo, ao consumo de 7 trilhões de vídeos no YouTube, por exemplo, ou uma média de 2,5 videos diários por habitante, no mundo, durante um ano.

Uma das tendências que deverá suportar esse crescimento é o aumento de hotspots de Wi-Fi ao redor do mundo, que crescerá em 14 vezes. Só o total de pontos de acesso Wi-Fi domiciliares aumentará em sete vezes nos próximos quatro anos, atingindo 432 milhões. No ano passado, o tráfego de Wi-Fi offload mensal suprerou o tráfego por redes móveis pela primeira vez, atingindo 3,9 exabytes contra os 3,7 exabytes mobile.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.