Homem é condenado a três anos de prisão por baixar pedofilia da deep web

Por Felipe Demartini | 17 de Maio de 2019 às 11h06

Um americano de 34 anos foi condenado a três anos e seis meses de prisão por adquirir, baixar e armazenas vídeos de pornografia infantil obtidos na deep web. Stephen P. Langlois Jr. foi sentenciado nesta semana e, além dos 42 meses em uma prisão federal, deverá pagar US$ 5 mil para a Justice for Victims Trafficking Act, uma organização que luta contra a pedofilia e o tráfico de crianças pelo mundo.

De acordo com as autoridades, os crimes começaram em maio de 2017, quando Langlois se inscreveu em um serviço de distribuição desse tipo de material. Ele usou bitcoins para pagar o serviço e baixou mais de 100 vídeos de pornografia infantil, que manteve armazenado em seu computador pessoal. A plataforma utilizada também está sob investigação, mas seria operada e contaria com infraestrutura fora dos Estados Unidos, o que torna o trabalho um pouco mais complicado.

Após ser preso em casa, na cidade de Warwick, que fica no estado americano de Rhode Island, Langlois chegou a um acordo com a promotoria e admitiu sua culpa pela posse de material pedófilo. Após o fim dos três anos e meio de encarceramento, ele ficará sob liberdade supervisionada por mais 10 anos, tendo de seguir uma série de regras ainda a serem determinadas caso não queira voltar para a cadeia.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

As autoridades não comentaram mais sobre o caso, mas a ideia de promotores federais dos Estados Unidos e Europa, nos últimos anos, é tornar situações como esta um exemplo para criminosos. Seria uma prova de que o anonimato da deep web pode ser quebrado, assim como o sigilo por trás das transações com criptomoedas, com esses dois aspectos favorecendo o crime digital. Ainda assim, seria possível chegar aos culpados, como a prisão e o sentenciamento de Langlois demonstra.

Fonte: Departamento de Justiça dos EUA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.