Grupo propõe boicote a táxis após agressão a motorista do Uber em Porto Alegre

Por Redação | 30.11.2015 às 16:16 - atualizado em 30.11.2015 às 16:48

Na última semana, dois taxistas de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, foram presos após sequestrarem e espancarem um motorista do Uber. Agora, um grupo de pessoas da capital gaúcha convida outros cidadãos a boicotarem os serviços de táxi por um dia a fim de protestar contra a violência.

Um evento no Facebook clamando pelo boicote já conta com 57 mil confirmações e outras 47 mil pessoas declaram ter interesse na iniciativa — totalizando quase 105 mil pessoas. Na descrição, o criador do evento Marcio Callage deixa claro que a sua intenção é pressionar todos os taxistas para que isso não se repita jamais.

“O cidadão porto-alegrense não vai aceitar violência por parte dos taxistas contra os motoristas parceiros da Uber e seus carros”, informa o texto. “como pressão, dia 1 de dezembro não pegue táxi. Vamos fazer os bons taxistas pressionarem os violentos e baderneiros para nunca mais fazerem isso”.

Bráulio Escobar

Bráulio Escobar foi sequestrado e agredido na última semana. (Foto: André Ávila/Agência RBS/Estadão Conteúdo)

De acordo com o jornal Zero Hora, os dois taxistas responsáveis pela agressão ao motorista do Uber Bráulio Escobar, de 40 anos, já tiveram problemas com a polícia. Os acusados Alexsandro dos Santos Scheffer, de 34 anos, possui 12 ocorrências de exploração de jogos de azar e ameaça. Já o outro taxista, Cauê Cavalheiro, de 29 anos, já esteve envolvido em brigas e ameaças.

No dia da agressão, Cavalheiro chamou um carro pelo aplicativo do Uber e, junto de Scheffer, levou Escobar até o estacionamento de um supermercado, onde ocorreram as agressões.

Fontes: Zero Hora, Facebook