Google promete mais cuidado com gravações de voz do Assistente

Por Felipe Demartini | 23 de Setembro de 2019 às 16h15
Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre Google

Ver mais

O escândalo de privacidade envolvendo gravações de voz utilizadas pela Google Assistente levaram, agora, a uma série de mudanças no funcionamento do serviço. Em uma publicação oficial, a empresa se compromete a ter mais cuidado com as gravações realizadas pelo recurso, principalmente as registradas acidentalmente, e tornará mais claro o processo de ativação e gerenciamento dos dados de voz dos usuários.

No texto, a empresa indica uma série de medidas que serão adotadas a partir de agora, com a principal delas sendo que os dados de voz não serão mais armazenados por padrão. Para que isso aconteça, os usuários deverão dar sua autorização explícita na primeira vez que iniciarem o Assistente, e isso vai valer também para aqueles que já deram sua anuência no passado, tendo que concordar novamente com os novos termos de uso.

O mesmo vale, também, para a audição dos dados gravados por humanos, uma autorização que também deverá ser dada expressamente pelo usuário. A Google ressalta que a coleta e análise de tais informações é importante para melhorar a qualidade do serviço para todos, mas coloca a privacidade em primeiro lugar, principalmente após o escândalo envolvendo a escuta de conversas privadas e gravadas de forma irregular por seus funcionários.

O sistema também passa a ser capaz de detectar quando foi ativado por engano, deletando gravações que tenham sido fruto disso e jamais enviando tais dados para os revisores humanos. A ideia, para o futuro próximo, é adicionar controles de sensibilidade para o comando “Ei, Google”, de forma a reduzir o número de ativações não intencionais e dar mais controle aos usuários sobre esse tipo de situação.

Ainda, a companhia pretende melhorar os sistemas internos para dar mais controle aos usuários que concordarem com as gravações. A ideia é acabar com a surpresa de muitos ao perceberem a quantidade de gravações armazenadas pela empresa, deletando aquelas que forem indesejáveis ou possam apresentar riscos à própria privacidade.

A Google lembrou ainda, como na época do escândalo, que os dados não são coletados de forma ligada ao perfil dos usuários e que os áudios ouvidos por seus funcionários não são conectados a eles. Além disso, os colaboradores ouviriam apenas uma pequena parcela aleatória dos registros, algo em torno de 0,2% de tudo o que é gravado pelo Assistente, com seleções também aleatórias a partir de amostras dos milhões de utilizadores.

Um link direto pode ser usado para acessar os registros de áudio da Google e checar exatamente o que está sendo armazenado pela empresa por meio do Assistente de voz. Pela página, também, é possível alterar configurações de privacidade ou deletar dados gravados.

Fonte: Google Blog

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.