Google estaria pagando US$ 3 bilhões para ser buscador padrão do iOS

Por Redação | 15 de Agosto de 2017 às 09h14

Relatos dão conta que, desde 2016, a Google está pagando cerca de US$ 3 bilhões à Apple apenas para se manter como o motor de pesquisa padrão para o Safari no iOS. O navegador vem pré-instalado em iPads e iPhones e, há anos, redireciona as buscas feitas na barra de endereços para o serviço da gigante, algo que, claro, alavanca bastante os números.

As informações são da Bernstein, uma firma norte-americana de análise de mercado. Os dados não foram confirmados, uma vez que nenhuma das partes envolvidas abrem o jogo sobre contratos desse tipo, ainda mais quando se leva em conta o tamanho do montante e a ideia de que, sozinha, a Google contribui com cerca de 5% de todo o lucro da Apple.

A parceria envolvendo pagamento, entretanto, existe e foi confirmada em 2014 em meio à briga da Google contra a Oracle, que acusava a rival de quebra de patentes. Na época, documentos apresentados à corte relatavam um acordo de licenciamento da ferramenta de buscas no valor de US$ 1 bilhão.

Mais do que isso, na época, havia também um acordo de divisão das receitas de publicidade oriundas dos acessos ao Google por meio do iOS, com a Apple também levando parte dos ganhos. Os documentos apontavam para uma divisão de 34% - 66%, mas não deixava claro quem levava que parte (a ideia é de que a dona do mecanismo de pesquisas, pela lógica, levaria o montante maior).

Agora, entretanto, tais detalhes são desconhecidos, mas, na visão da Bernstein, se ainda há a divisão dos lucros oriundos da publicidade, a participação da Google nas receitas da Apple pode ser ainda maior. Com o aumento nas vendas de iPhones e a utilização cada vez mais intensa dos smartphones, os lucros de propaganda crescem. Basta, então, fazer as contas.

O acordo não seria benéfico apenas para um dos lados, é claro. De acordo com a análise, o ecossistema da Apple contribuiria para cerca de 50% de toda a receita da Google com publicidade online, o que, por si só, já faz mais do que valer a pena o contrato. É claro, se o pagamento fosse menor, os ganhos seguiriam a recíproca inversa, mas algum ganho é melhor do que nenhum ganho.

Por outro lado, especialistas da Bernstein fazem a seguinte pergunta: quanto a Google efetivamente perderia se deixasse de ser o buscador padrão do iOS? Nesse caso, muitos usuários continuariam com ela, seja modificando manualmente a plataforma de pesquisa ou acessando o site da empresa diretamente. É aí que fica a dúvida: será que a possível queda realmente compensa o pagamento de bilhões de dólares todos os anos?

Para a Apple, enquanto isso, seria só festa. A aplicação de um ou outro motor de busca como padrão é feita a nível de software e não exige desenvolvimentos ou trabalhos extensos. É claro, vale a comodidade de ter o Google ao lado, agradando aos usuários, e o dinheiro, no fim das contas, contribui largamente para as receitas e acaba aparecendo praticamente de forma integral como lucro.

Fonte: CNBC