Google deixa de penalizar sites de notícias que utilizam paywall

Por Redação | 02 de Outubro de 2017 às 11h59

A Google anunciou que não vai mais punir sites de conteúdo que utilizarem paywalls como forma de monetização de conteúdo e busca por assinantes. Por meio da medida, páginas que bloquearem o acesso dos usuários mediante pagamento eram penalizadas com um destaque menor nas buscas, caso não seguissem algumas normas fixadas pela Google.

A principal delas era o “first click free”, uma regra que exigia que o usuário, quando acessasse o site a partir do buscador, conseguisse visualizar gratuitamente pelo menos algumas páginas. Quem não seguisse a norma tinha seus links jogados para baixo na lista de resultados, afetando diretamente a audiência dos veículos.

Agora, essa política é substituída por outra, chamada de “amostra flexível”. A Google sugere que os sites de conteúdo adotem uma tática que já é bastante generalizada – a liberação do acesso a um número limitado de páginas ou notícias. A recomendação é de 10, mas a empresa deixa os criadores de conteúdo livres para decidirem o total mais adequado ao próprio estilo e público.

A empresa justifica a mudança afirmando que testes internos já mostraram que os usuários são mais propensos a realizarem assinaturas ou cadastros caso tenham uma amostra gratuita do conteúdo. O contrário, entretanto, acontece quando eles são bloqueados por um paywall – na sequência, eles normalmente fecham a página e partem em busca de outras fontes que tenham o acesso liberado.

Além disso, a Google aponta para o que chama de “pirataria de conteúdo”, pela qual sites de terceiros simplesmente copiam os conteúdos das plataformas pagas e as disponibilizam de graça, de olho na audiência perdida dos criadores originais. Mais um motivo pelo qual a empresa incentiva a fixação de um limite de acesso, permitindo que a audiência tenha acesso a textos e imagens a partir de suas fontes primárias.

De acordo com números de analistas não ligados à Google, alguns sites chegaram a perder 40% de sua audiência oriunda de mecanismos de busca por conta das penalizações ligadas ao uso de paywalls. Isso levou a diversas tensões entre a empresa e grupos de mídia, que agora resultam nas alterações das políticas em busca de um meio termo.

Além de mudar suas regras, a Google também anunciou que quer ajudar os criadores de conteúdo a implementarem sistemas de assinatura mais simples e diretos. Usando de sua própria tecnologia presente em serviços de agregador ou acesso a conteúdo, a empresa quer desenvolver mecanismos que permitam a assinatura com um único clique, ou a compra individual de conteúdos que sejam relevantes aos usuários.

Essa é uma iniciativa que ainda está em andamento. Segundo a Google, a ideia de encontrar uma solução que sirva para todos os diferentes tipos de criadores exige um contato direto com eles, que já está em andamento. A dinâmica, entretanto, não tem data para entrar em funcionamento.

Fonte: Business Insider

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!