Fundador do WhatsApp virá ao Brasil para defender mensagens criptografadas

Por Redação | 01 de Junho de 2017 às 16h43

De acordo com Brian Acton, o Brasil é o único país do mundo a questionar a legalidade da criptografia no WhatsApp, aplicativo que criou. Para defender a continuidade do uso de mensagens criptografadas, o fundador do mensageiro está vindo ao Brasil para participar de uma reunião no Supremo Tribunal Federal nesta sexta-feira (02).

Não é somente no nosso país que o mensageiro acaba chegando à justiça, no entanto, apenas o Brasil, em todo o globo, discute o direito ao uso de criptografia. “Há muito debate ao redor do mundo, mas o Brasil é o único nessa questão da criptografia, com o assunto tendo chegado à Suprema Corte. Não temos isso em nenhum outro lugar. Temos na Índia, mas não relacionada à criptografia”, disse Mark Khan, chefe jurídico do WhatsApp.

A empresa reuniu jornalistas em São Paulo para apresentar o caso à imprensa antes da audiência no STF, ressaltando que o sistema foi desenvolvido de forma que não seja possível “grampeá-lo” para espionar o conteúdo de mensagens trocadas por ali, nem mesmo recuperar arquivos de conversas passadas sem que os envolvidos o forneçam.

Acton pretende ressaltar, ainda, que a criptografia é legal no Brasil, e que bloquear o aplicativo fere direitos constitucionais. Ehren Kret, gerente de desenvolvimento de software do app, se surpreende que o Ministério Público e o Judiciário brasileiro ainda duvidem que o Whatsapp não tem como entregar o que não consegue acessar. “É como se fosse uma conversa em um quarto sem microfones, sem câmeras”, explica com a analogia, dizendo que “não temos habilidade de interceptar mensagens em trânsito porque não somos capazes de termos as “chaves” que ficam nos telefones de cada um”.

Os especialistas também falaram que seria tecnicamente inviável criar um backdoor secreto, que poderia ser acessado exclusivamente pelas autoridades. “Não é possível criar um backdoor só para um. Backdoors enfraquecem a criptografía para todos. Além disso, qualquer mudança enfraquece nosso sistema e seria detectada rapidamente por engenharia reversa”, explicaram.

Via: Convergência Digital

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.