Facebook, Twitter, YouTube e Microsoft se unem para combater terrorismo online

Facebook, Twitter, YouTube e Microsoft se unem para combater terrorismo online

Por Redação | 06 de Dezembro de 2016 às 08h36

Facebook, Twitter, YouTube e Microsoft anunciaram nesta segunda-feira (05) que estão unindo forças para combater a disseminação de conteúdo terrorista online. A ideia das empresas é compartilhar entre si informações e tecnologias utilizadas no reconhecimento desse tipo de conteúdo afim de retirá-los do ar.

"Não há espaço para conteúdo que promova terrorismo em nossos serviços", disseram as empresas em um comunicado oficial. O foco principal é combater a circulação de imagens violentas relacionadas a ações terroristas, como as de decapitação de prisioneiros do grupo extremista jihadista Estado Islâmico, e material de recrutamento que rotineiramente é publicado nas redes sociais.

Para isso, o grupo se comprometeu a criar um banco de dados compartilhado repleto de hashes (espécie de identificadores únicos) dos "conteúdos terroristas mais extremos e escandalosos" que já foram barrados e removidos no passado, de maneira a impedir que eles voltem a aparecer online. Quando novos materiais desse tipo surgirem, a ideia é que as empresas os identifiquem e compartilhem com as demais os dados da descoberta, de maneira que elas possam tomar providências para barrar sua disseminação.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A coalisão, entretanto, ressalta que cada empresa terá autonomia para decidir o que exatamente será feito com cada conteúdo identificado. "Cada companhia continuará seguindo suas próprias políticas e definições de conteúdo terrorista para decidir quando remover um conteúdo identificado a partir do banco de dados", salientou o comunicado.

Por poderem manter sua autonomia e poder de decisão individual, as quatro gigantes da tecnologia esperam que outras empresas se unam ao grupo - em especial o Google. Mas, antes disso, a coalisão terá de mostrar a que veio e comprovar a eficiência e eficácia dessa união.

Fonte: The Register

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.