Facebook e Google estão planejando bloquear vídeos extremistas

Por Redação | 27 de Junho de 2016 às 11h11
Divulgação
Tudo sobre

Google

De acordo com fontes anônimas, tanto Facebook quanto Google estão começando a usar a automação para remover conteúdos extremistas de seus domínios. A iniciativa é fundamental para que as empresas de internet consigam eliminar propagandas que incentivam o ódio e/ou a violência. A ação das empresas vem após uma grande pressão de autoridades governamentais, que pretendem inibir a proliferação de ataques extremistas.

Materiais relacionados ao Estado Islâmico e similares estão entre os conteúdos que serão removidos ou bloqueados rapidamente pelo Facebook e YouTube. O sistema utilizado para a remoção é o mesmo desenvolvido para remover conteúdos protegidos por direitos autorais, mas com alguns ajustes para identificar qualquer conteúdo inaceitável.

No final do mês de abril, depois da pressão de líderes dos Estados Unidos e Europa, empresas incluindo YouTube, Facebook, Twitter e CloudFlare começaram a debater algumas maneiras, incluindo um sistema de bloqueio de conteúdo apresentado por um projeto privado de combate ao extremismo, para conseguirem erradicar esse tipo de conteúdo. As discussões destacam o difícil papel das empresas de internet no controle do terrorismo e da liberdade de expressão.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O porta-voz da Alphabet, William Fitzgerald, recursou a comentar sobre os esforços da empresa para identificar e remover os conteúdos considerados impróprios automaticamente. Já um porta-voz do Twitter disse que a empresa estava avaliando a proposta contra o extremismo e que "ainda não tomou uma posição".

Vale lembrar que, nos últimos meses, os esforços no combate a conteúdos extremistas foram intensificados após os recentes ataques terroristas em Bruxelas, na Bélgica, e em Paris, na França. Desde o ano passado, o Twitter já suspendeu 125 mil contas relacionadas ao Estado Islâmico em sua plataforma e o aplicativo de mensagens Telegram já bloqueou 78 grupos públicos de bate-papo.

Fonte: Reuters, Geek's Room

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.