Entrevistamos o fundador da agência que oferece “assistentes de paquera”

Por Ramon de Souza | 09 de Maio de 2018 às 09h37
Society of Virtual Assistants

Aplicativos de relacionamento, como o Tinder e derivados, não representam nem de longe o sucesso na vida amorosa — que atire a primeira pedra o usuário que ficou dias no serviço sem conseguir bater um papo com um pretende sequer. Por mais que esse tipo de plataforma possa ter sido criada para facilitar a tarefa de encontrar sua alma-gêmea, é necessário ter muito tempo livre para conseguir o tão sonhado “match” e escapar da solidão.

O problema é que nem todo mundo tem tempo livre para ficar no Tinder, e foi exatamente ao perceber tal realidade que o empreendedor Scott Valdez resolveu fundar a Virtual Dating Assistants (ViDA), uma agência que oferece assistentes de paquera. Como já explicamos em uma matéria anterior, o conceito é simples: você contrata um profissional para entrar na sua conta do Tinder (ou de outro serviço similar), dar uma turbinada no seu perfil e ficar conversando com pessoas aleatórias enquanto finge ser você.

A ideia parece um tanto bizarra (e, bom, talvez ela realmente seja um pouco estranha), mas bem acertada. Hoje em dia, a agência de Scott atende clientes do mundo inteiro e já ajudou “milhares” de pessoas a encontrar seus pares românticos através da internet. Para garantir que seus colaboradores tenham sucesso nas conquistas, a agência utiliza conceitos tecnológicos de ponta — incluindo Big Data e computação preditiva — para persuadir a mente humana. Mais Black Mirror, impossível.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Homepage do site, na versão para homens (Reprodução: ViDA)

O Canaltech teve a oportunidade de bater um papo com Scott e ele nos contou em detalhes sobre como a ViDA nasceu, como funciona a contratação dos serviços e o que você precisa saber caso queira trabalhar por lá — dentre outras coisinhas. Confira a entrevista e não esqueça de comentar a sua opinião a respeito desse polêmico assunto.


Canaltech: Como a ViDA começou? Onde (e quando) você teve a ideia de fundar uma agência de assistentes de paquera virtual?

Scott Valdez: Eu sempre fui o tipo de cara que tenta tornar qualquer processo mais eficiente, e paquera online não foi diferente. Em vez de gastar tempo escrevendo de forma personalizada cada mensagem que eu enviava em sites de relacionamento, eu quis ter algumas mensagens incríveis que eu poderia enviar rapidamente para qualquer mulher que me intrigava.

Eu tive ótimos resultados, mas, em 2008, eu me encontrava trabalhando de 60 a 70 horas por semana, e não tinha tempo para responder às mensagens durante alguns dias. Como você pode imaginar, não é uma abordagem legal para um site de relacionamento. Eu tinha acesso a uma assistente no trabalho, mas eu não poderia imaginar que meu chefe ficaria tão feliz se ele descobrisse que ela estava me ajudando com minhas paqueras online.

Então eu tive a ideia de contratar outra pessoa para me ajudar. Eu encontrei um ótimo escritor, dei a ele um curso rápido com meu melhor material, e funcionou perfeitamente! Aquilo me fez pensar… Quantos outros profissionais ocupados estão na mesma situação? Eles querem conhecer alguém especial, mas simplesmente não têm tempo para se dedicar à paquera online ou habilidades necessárias para ter sucesso nisso. A ViDA resolve esse problema.

Homepage do site, na versão para mulheres (Reprodução: ViDA)

Naquela época eu tive a sensação de que paquera online seria “o futuro”, pois te dá a oportunidade de conhecer pessoas que você geralmente nunca conheceria em sua rotina. Agora, uma década depois, isso se tornou mainstream e a demanda pela ViDA aumentou significativamente como resultado.

CT: Quanto custa o serviço?

Scott: Nós temos vários pacotes disponíveis, com preços variando de US$ 495 (R$ 1,7 mil) a US$ 1.695 (R$ 6 mil) por mês.

CT: Você pode compartilhar conosco alguns números sobre a empresa? Por exemplo, quantos clientes a ViDA tem e qual é a porcentagem homem/mulher da sua clientela? Quantas pessoas trabalham na ViDA?

Scott: Desde a sua estreia em 2009, a ViDA tem ajudado milhares de homens e mulheres. Atualmente, nós temos 200 clientes ativos e cerca de 80 membros no time. Historicamente, nossa base de consumidores tem sido majoritariamente masculina, mas no último ano nós tivemos um influxo de mulheres. Neste instante, temos cerca de uma cliente feminina para cada dois clientes masculinos.

Eles geralmente estão entre seus 30 a 50 anos, embora nós já tivemos clientes em seus 20 até 70 anos. Eles costumam ser empreendedores, médicos, advogados, programadores, executivos e outros profissionais ocupados.

CT: O Brasil é um mercado importante para vocês?

Scott: A ViDA tem clientes ao redor do mundo inteiro, incluindo América do Sul. No passado, nós ajudamos diversos clientes americanos que estavam querendo encontrar alguém especial no Brasil. Porém, visto que atualmente só temos a habilidade de escrever perfis de paquera e mensagens em inglês e espanhol, ainda não movemos definitivamente para o mercado brasileiro.

CT: O Tinder certamente é o aplicativo de paquera mais famoso, mas vocês trabalham com qualquer plataforma social ou existem restrições?

Scott: Nós não usamos nenhum site ou app que tenha a intenção de facilitar traições, como o Ashley Madison. Nós não vamos deliberadamente ajudar um cliente a trair sua esposa, e se qualquer sinal vermelho aparecer durante o processo, nós vamos devolver seu dinheiro e tomar nosso rumo.

Empresa não trabalha com traições (Imagem: Statistic Brain)

Fora isso, nós podemos ajudar clientes em qualquer site de relacionamento ou app que eles desejam usar. Mas, isto posto, parte de nosso serviço é analisar os melhores apps e sites para um consumidor em particular, de forma que possamos prover combinações de alta qualidade da forma mais eficiente possível.

CT: Como é o processo de seleção para um candidato a assistente de paquera? Quais critérios você segue para contratar um “bom” profissional?

Scott: Todos os nossos escritores enfrentam um teste online simulado de paquera para serem elegíveis ao cargo. Eles escrevem um perfil de exemplo, duas mensagens quebra-gelo e trocam algumas mensagens para um cliente hipotético. Há muitos interessados neste cargo. Durante nossa rodada de contratação mais recente, tivemos mais de mil pessoas se candidatando só durante o mês de março. E, de todos esses candidatos, menos de 1% foi entrevistado.

Uma vez que o escritor é contratado, existe um profundo processo de integração. É aí que eles vão precisar demonstrar a habilidade de cumprir deadlines, gerenciar bem seu tempo e abraçar feedbacks. Eles também participam de uma relação de mentor-protegido com um escritor sênior. Não é um processo de treino simples, já que mantemos padrões muito altos para nossos clientes. Apenas 50% dos novos contratados passam pelo período de incubação.

CT: Que tipos de técnicas a ViDA usa para “turbinar” um perfil e encontrar o homem ou a mulher “perfeitos” para um cliente?

Scott: Muitos de nossos métodos são proprietários e baseados em anos de coletas meticulosas de dados. Esses dados revelam insights como os melhores dias e horários para conversar, nos quais os quebra-gelos têm a melhor taxa de resposta, e quais tipos de perfis funcionam melhor para determinadas idades. Esses insights também revelam as melhores horas para “turbinar” o perfil de um cliente para a máxima exposição em sites e apps, usando as ferramentas disponíveis neles mesmos.

Empresa usa tecnologia de ponta para garantir matches (Imagem: The Verge)

Também estamos empolgados em lançar nossa mais recente iniciativa baseada em dados — é chamada “Conversa Preditiva”. Em resumo, nós desenvolvemos um algoritmo preditivo que vai nos dizer quem é mais provável de responder a uma mensagem de paquera de um determinado cliente, e também qual mensagem provavelmente vai ter uma resposta positiva.

CT: A ViDA é 100% legal? A ideia de ter terceiros fingindo ser você em espaços online não pode ser considerada roubo de identidade? Vocês já tiveram algum problema com as plataformas sociais (como o Tinder)?

Scott: Sim, tudo que a ViDA faz é 100% legal. Todo cliente assina um acordo nos permitindo representá-lo online. É como contratar um planejador financeiro para cuidar de seus investimentos — você está autorizando um terceiro a fazer um serviço no seu lugar. Nós nunca tivemos um problema sério com plataformas de paquera que não conseguimos resolver de forma rápida.

CT: Alguém, alguma vez, já descobriu que estava falando com um assistente e causou problemas para vocês?

Scott: Não.

CT: Uma pergunta bem rápida: a ViDA é lucrativa?

Scott: Sim.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.