Embratel lança solução de distribuição de vídeos na nuvem

Por Redação | 07.06.2017 às 12:02

A Embratel anunciou nesta semana o lançamento de sua própria solução de distribuição de vídeo pela internet, com foco em companhias de comunicação, educação e provedores de serviço ou conteúdo. O sistema conta com plataforma de pagamento sob demanda, permitindo que os clientes cobrem por título, e também métodos de distribuição regional.

Um dos principais pontos fortes da solução da Embratel é a escalabilidade, com a empresa afirmando estar posicionada em áreas por onde circulam 97,6% de todo o tráfego online brasileiro. São 19 pontos de distribuição e capacidade de mais de 800 Gbps, com os vídeos replicados em diversos servidores de forma a entregá-los da maneira mais rápida e com o mínimo de lag para os usuários.

Apesar de estar abrindo a solução a todos apenas agora, a Embratel já vem a utilizando em dois serviços que fazem parte do grupo – a NET, por meio do NOW, e a Claro HDTV. Por meio delas, vieram não apenas a solidificação desse sistema, mas também o conhecimento do mercado, com a empresa afirmando que 42% da população brasileira tem o hábito de assistir a vídeos pela internet, uma audiência que já é maior que a da TV por assinatura, por exemplo.

A expectativa é que até 2020 79% de todo o tráfego da internet brasileira tenha o vídeo como vetor, e é justamente por isso que a Embratel destaca o uso da solução para os potenciais clientes. A ideia é reduzir a carga nos servidores de origem por meio dos sistemas de otimização, bem como criar uma plataforma exclusiva para os vídeos, sem que a banda seja dividida com outros recursos tipo downloads e páginas web.

A CDN da Embratel foi criada em parceria com a Cisco e faz parte de um dos projetos de expansão da empresa, que deseja ganhar participação nesse segmento. Ela estima que o mercado de distribuição de vídeo tenha um valor de US$ 180 milhões somente no Brasil, com o aumento dos serviços de educação à distância e os portais de internet investindo cada vez mais em conteúdo próprio sendo duas peças chaves para o crescimento.

Fontes: Embratel, Telesíntese