Elon Musk quer transformar a inteligência artificial em uma extensão do cérebro

Por Redação | 21 de Abril de 2017 às 18h47

O bilionário Elon Musk segue em sua jornada para tentar levar a humanidade para o cenário de algum filme de ficção científica. E, provando estar realmente empenhado em se tornar o Tony Stark do nosso mundo, ele revelou mais alguns detalhes da sua mais nova empresa, a Neuralink. Como o próprio nome sugere, a nova companhia quer construir uma inteligência artificial tão poderosa quanto a mente humana e, mais do que isso, transformá-la em uma espécie de extensão do nosso próprio cérebro.

Falando assim, até parece loucura, mas esse tipo de discurso entusiasmado já virou uma das marcas de Musk. Segundo ele, o objetivo é criar uma forma de nos conectar a computadores que praticamente nos levariam em direção a um novo salto evolutivo, abrindo novas possibilidades não apenas de comunicação, mas também de tornar processos cognitivos muito mais eficientes. Apenas em termos de comparação, pense no quanto a tecnologia estimulou o cérebro humano a processar informações mais rápido. Agora eleve isso a uma escala exponencial.

A coisa é tão ambiciosa que Elon Musk chega a citar um processo de comunicação muito mais direto do que aquele que usamos atualmente. Traçando um paralelo com processos digitais, ele diz que o modelo atual de interlocução entre duas pessoas parte do pensamento sendo compactado em um padrão de linguagem e descompacto pela outra pessoa a partir de sua cognição — mais ou menos como se a fala e os idiomas fossem uma espécie de WinRar cultural. Com os avanços da Neuralink, porém, o seu pensamento poderia ser transmitido sem passar por todo esse processo, de forma direta.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

É claro que a proposta vai ainda um pouco além, incluindo a integração da inteligência artificial à nossa consciência. E é aí que a coisa realmente desanda para a ficção científica, já que Musk propõe de usarmos essa IA como uma faculdade mental extra e conectarmos nossa mente a uma espécie de nuvem que, basicamente, passaria a fazer parte de nós.

Como dito, a Neuralink é um projeto muito ambicioso — muito mais do que as outras iniciativas adotadas pelo bilionário —, o que significa que não devemos ver resultados tão cedo. Porém, o simples fato de o anúncio ter sido feito revela que há o interesse em pesquisar esse tipo de coisa e de buscar soluções práticas para essas questões que ainda são tão distantes de nós. De acordo com Musk, a empresa precisaria de, pelo menos, e oito a dez anos para trazer algum tipo de resultado minimamente satisfatório.

Via Tech Crunch

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.