Contra pornografia infantil, hacker derruba 20% dos sites da Deep Web

Por Redação | 06.02.2017 às 12:24
photo_camera Reprodução

A Deep Web foi alvo de um grande ataque hacker nesse último fim de semana. Na última sexta-feira (03), um hacker descobriu que a companhia de hospedagem Freedom Hosting II estava permitindo o armazenamento de pornografia infantil em seus servidores e promoveu uma cruzada para tirá-los do ar.

E olha que a empreitada do hacker foi extremamente bem-sucedida, conseguindo tirar cerca de 10 mil sites da Deep Web do ar. Ao tentar acessar um deles na Tor Network, os visitantes recebiam uma mensagem "amigável" do hacker: "Olá, Freedom Hosting II, você foi hackeado".

De acordo com o benfeitor, a companhia sabia que os arquivos estavam armazenados em seus servidores e que estavam sendo acessados por pedófilos. Ele explica que sites que distribuem esse tipo de conteúdo exige centenas de GB de armazenamento e tráfego, quando os termos de uso do serviço deixam explícito que nenhum usuário tem direito a mais que 256 MB para guardar seus arquivos.

Mensagem deixada pelo hacker a quem tentava acessar os sites que foram derrubados junto com os servidores da Freedom Hosting II
Mensagem deixada pelo hacker a quem tentava acessar os sites que foram derrubados junto com os servidores da Freedom Hosting II. Clique para ampliar (Reprodução: Motherboard)

O pior de tudo é que esta não é a primeira vez que a hospedagem se envolve em uma polêmica como essa. Em 2013, uma operação policial confiscou a infraestrutura da empresa e a Justiça dos Estados Unidos abriu vários processos de pornografia infantil contra ela. A lição de quatro anos atrás aparentemente não surtiu efeito algum, uma vez que agora ela voltou a reincidir.

Ao portal Motherboard, o hacker, cuja identidade não foi revelada, disse que essa foi sua primeira ação online e que inicialmente não tinha intenção de derrubar os servidores da Freedom Hosting. Os planos mudaram quando ele acabou esbarrando em mais de 10 sites de pornografia infantil com mais de 30 GB de arquivos cada. Diante daquilo, "alguma coisa precisava ser feita", comentou.

Ele optou por não tornar públicos os dados dos visitantes dos sites, mas confirmou que os enviou para analistas de segurança e que os entregará em breve à Justiça.

Fonte: Motherboard, The Verge, Digital Trends