Com transmissões a 60 FPS e uso do HTML5, YouTube quer atrair usuários do Twitch

Por Redação | 21.05.2015 às 11:52

Não é de hoje que o Google está de olho nos jogadores e nas transmissões ao vivo de games. O Twitch se revelou uma ótima máquina de dinheiro e, após a tentativa frustrada de comprar o serviço, a empresa decidiu seguir seu próprio caminho com o YouTube. A gente já comentou sobre isso aqui, mas parece que os primeiros detalhes das armas desse contra-ataque começaram a aparecer.

Em uma publicação em seu blog oficial, o Google explicou como quer atrair a comunidade gamer: pelo desempenho. A partir de agora, o YouTube é capaz de realizar transmissões a uma taxa de 60 quadros por segundo e com opções de resolução em 720p e 1080p.

Essas configurações são consideradas ideais para qualquer jogo e saber que poderemos acompanhar partidas com essa qualidade e fluidez de imagem já é um diferencial e tanto. O próprio Google já começou a conversar com empresas como Elgato e Xsplit para que os programas usados para realizar as transmissões já tenham suporte a toda essa qualidade.

Por enquanto, as transmissões a 60 FPS são exclusivas da versão para desktop, mas a promessa é que mais plataformas possam acessar esse conteúdo em breve — embora não haja nenhuma previsão mais concreta à vista.

Além disso, outra arma que a companhia quer trazer para o YouTube é o suporte ao HTML5. Enquanto o Twitch ainda funciona baseado no Flash, o formato adotado pelo Google promete trazer muito mais vantagens aos jogadores, principalmente pela tecnologia em questão ser muito mais econômica em termos de energia e consumo de processamento.

Outra possibilidade em relação a isso também vai agradar quem está assistindo ao vídeo. Com o Flash, é praticamente impossível voltar a um ponto anterior do gameplay ao vivo e depois avançar até o ponto atual e a promessa do HTML5 é fazer com que esse vai e vem seja não apenas viável como ainda natural para quem quiser brincar com a linha do tempo.

Porém, apesar de bastante promissoras, muita gente está vendo essas novidades com certo receio, uma vez que as melhorias técnicas podem afetar outras áreas importantes de uma transmissão, como sua latência. Afinal, o delay entre o que o jogador faz e o que o seu público vê é algo bem problemático e que preocupa quem gosta de interagir com seus espectadores. Só que a Google diz que não há com o que se preocupar em relação a isso.

A empresa acredita que essas mudanças vão trazer um impacto pouco significativo no tempo de resposta. No entanto, ainda assim, há esforços para reduzir isso e tornar a conversa entre as duas partes o mais natural possível. Atualmente, a latência no YouTube varia entre 30 e 60 segundos, mas a empresa garante que está tendo um bom progresso na diminuição desse vácuo.

Via: Ars Technica