Cisco: velocidade média da banda larga no Brasil subirá para 19 Mbps em 2019

Por Redação
photo_camera Divulgação

Há alguns dias, publicamos aqui no Canaltech a notícia de que o número de endereços de IP pode colocar a internet na mira de um colapso devido à falta de espaço para tantos links. Por conta disso, um estudo recente da Cisco aponta que o tráfego anual do protocolo de internet (IP) vai triplicar entre 2014 e 2019, atingindo o recorde de 2 zettabytes.

Segundo o relatório, o tráfego IP global atingirá 168 exabytes por mês em 2019, acima dos 59,9 exabytes por mês de 2014. Em 2019, o tráfego que percorrerá as redes IP será quase o total registrado nos anos anteriores combinados (de 1984 até o fim de 2013). Entre os fatores que deverão impulsionar esse crescimento estão o aumento dos usuários globais de Internet, dos dispositivos móveis pessoais e de conexões máquina-a-máquina (M2M), além de velocidades de banda larga mais rápidas e da adoção de serviços avançados de vídeo.

Com 24 bilhões de conexões on-line em 2019 (em comparação com 14 bilhões em 2014), provedores de serviços devem adaptar-se ao fluxo de dispositivos sofisticados em rede. Esses aparelhos incluem tablets, smartphones e TVs de ultra-alta definição com acesso à Internet (UHD), bem como conexões M2M e wearables (incluindo novos relógios inteligentes, monitores de saúde, etc.).

Haverá 3,2 gadgets conectados per capita no mundo até 2019, acima dos 2 per capita de 2014. Esses dispositivos e conexões avançadas deverão ser autenticados para terem acesso a redes fixas e móveis, exigindo inteligência avançada, gerenciamento e segurança. Uma estratégia IPv6 abrangente será imperativa para que as operadoras acomodem o volume e a complexidade das conexões e dos dispositivos de última geração. Globalmente, 41% de todos os dispositivos e conexões de rede fixa e móvel serão compatíveis com IPv6 até 2019, acima dos 22% em 2014.

A média global de velocidade de banda larga fixa vai duplicar, partindo de 20,3 Mbps em 2014 para 42,5 Mbps em 2019 — a mesma média cresceu 26%, de 16 Mbps em 2013 para 20,3 Mbps em 2014. Daqui a quatro anos, a velocidade de 33% das conexões de banda larga fixa será 29% mais rápida do que os 25 Mbps atuais. Além disso, mais de 14% do tráfego IP mensal terá origem nas conexões de celular, e 53% virá de conexões Wi-Fi em todo o mundo, tornando as estratégias diferenciadas e rentáveis em mobilidade muito mais importantes para os provedores de serviços.

Graças a esse aumento nas velocidades de conexão, conteúdos em vídeo serão responsáveis por 80% de todo o tráfego IP em 2019, acima dos 67% verificados em 2014. Consumidores residenciais e empresariais e usuários móveis continuarão a ter forte demanda por serviços avançados de vídeo em todos os tipos de rede e de dispositivos, fazendo da qualidade, da conveniência, do conteúdo, da experiência e dos preços fatores-chave de sucesso.

Além dos vídeos, outras duas áreas devem contribuir fortemente para um crescimento acelerado da web. A primeira são os games, que devem ter um aumento significativo no número de downloads pelas lojas online dos consoles. Já a segunda é a adoção de serviços avançados, como música online, plataformas baseadas em localização e videoconferências.

Como as redes fixas e móveis continuarão a se expandir, mais pessoas em todo o mundo terão acesso à Internet. Em 2014, havia 2,8 bilhões de usuários de Internet (ou 39% da população mundial de 7,2 bilhões). Em 2019, haverá cerca de 3,9 bilhões de usuários, ou 51% da população projetada no mundo, de 7,6 bilhões.

No Brasil

Banda Larga

De acordo com a Cisco, o tráfego IP no Brasil duplicará de 2014 a 2019, crescendo a uma taxa de 19% e atingindo 53 exabytes por ano (4,4 exabytes ao mês e 145 petabytes ao dia). Para efeito de comparação, a cada hora irão cruzar pelas redes brasileiras o equivalente em dados a todos os filmes já feitos no mundo até agora. Até 2019, o tráfego irá corresponder a 399 vezes o volume de toda a internet brasileira de 2005.

Na comparação entre os tipos de redes, a proporção do tráfego fixo passará de 37% em 2014 para 19% (do total do tráfego de Internet). Já o tráfego móvel subirá de 3,9% em 2014 para 16,2% do total do tráfego de Internet em 2019. Daqui a quatro anos, estima-se que haverá 785,3 milhões de dispositivos conectados no país, e a média de conexão móvel deve crescer 3 vezes no mesmo período, atingindo 2,2 Mbps.

Quanto aos vídeos, o tráfego irá triplicar no período previsto, crescendo a uma taxa de 25% ao ano e atingindo 3,7 exabytes/mês em 2019 (contra 1,2 exabytes por mês em 2014). Os vídeos HD representarão 44,2% de todo o tráfego de vídeo no país, ante 17,8% verificados em 2014 (taxa de crescimento anual de 50%).

A média de velocidade da banda larga fixa no Brasil deverá crescer 2,2 vezes de 2014 a 2019, partindo de 8,3 Mbps para 19 Mbps. Além disso, 46% de todos os dispositivos de rede fixa e móvel serão compatíveis com IPv6 em 2019.