Brasil tem uma das piores banda larga fixa do mundo, aponta ranking

Por Redação | 15 de Setembro de 2015 às 09h29
photo_camera Divulgação

A maioria dos usuários de redes fixas de acesso à internet precisa de pelo menos 10 Mbps de velocidade de download para suprir sua necessidade e expectativas durante a navegação. A afirmação é resultado de um estudo realizado pela consultoria britânica Ovum.

Outros dois itens são fundamentais para garantir uma boa experiência ao internauta, de acordo com entidade: a introdução de redes estáveis e confiáveis que sejam capazes de entregar o conteúdo desejado em até três segundos; e um serviço de atendimento que resolva a maioria dos problemas ainda no primeiro contato.

O levantamento da Ovum foi criado tanto com a ajuda de uma pesquisa com consumidores quanto com dados de mercado de banda larga fixa em 30 países, incluindo o Brasil. O resultado indica que cada vez mais os usuários precisam de redes que suportem a alta demanda de dados, que vem crescendo sobretudo devido à popularização de plataformas de streaming de vídeos em alta definição.

Michael Philpott, um dos coautores do estudo, diz que "os domicílios dos mercados maduros contam, tipicamente, com até quatro equipamentos conectados à rede, todos com potencial de suportarem uma ampla gama de aplicações".

A consultoria britânica criou um placar global de experiência de banda larga que leva em conta critérios objetivos e subjetivos de conectividade esperados pelos entrevistados dos 30 países. No ranking, a Suécia se destaca como o país com o melhor resultado (88%) e o Egito com o pior, 30%. O Brasil ficou com 50%, ocupando a 21ª posição.

Philpott afirma que a discussão sobre a definição de banda larga e necessidade de velocidade existe desde que o serviço foi implantado. "Em 2015, a resposta é 'pelo menos 10 Mbps’ se você quiser uma boa experiência. Mas um número significativo de lares, mesmo em países desenvolvidos, ficou bem abaixo dessa marca", finaliza.

Fonte: Convergência Digital

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.