Atiradora do Youtube estava “calma” na madrugada do ataque, diz polícia

Por Felipe Demartini | 05 de Abril de 2018 às 11h43
Tudo sobre

YouTube

A polícia de San Bernardino, no estado americano da Califórnia, descreveu como “tranquila” a interação que teve com Nasim Aghdam na madrugada do dia em que ela entrou atirando nos escritórios do YouTube. Ela teria sido localizada por oficiais enquanto dormia em um estacionamento de Mountain View, a cerca de 40 quilômetros do local do ataque, após ter seu desaparecimento registrado pela polícia.

De acordo com o relatório das autoridades, divulgado nesta quinta-feira (05), a mulher de 39 anos estaria “calma” na madrugada anterior ao tiroteio. Ela não teria mencionado o YouTube em nenhum momento nem a intenção de fazer mal a si mesma ou a outros, cooperando com a polícia e fornecendo todas as informações solicitadas pelos oficiais.

Aghdam teve seu desaparecimento registrado pela família na segunda-feira (02) após não atender às ligações do pai durante todo o fim de semana. Foi por isso que a polícia a acordou na madrugada do ataque, após uma análise da placa do veículo próprio em que ela dormia. Com as explicações, porém, os oficiais não viram motivo para mantê-la detida e apenas deram o caso como encerrado.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Explicando as informações sobre seu desaparecimento, a mulher afirmou ter saído da casa onde morava devido a problemas familiares e estar seguindo para a residência de parentes, onde ficaria por alguns dias. Ela alegou ter se sentido cansada durante a viagem e, então, parado para descansar, pois buscaria um emprego no mesmo dia.

O pai de Aghdam foi contatado e não teria expressado preocupações quanto ao estado da filha ou sua presença em Mountain View. Uma hora depois, ele teria telefonado à polícia novamente para informar sobre as críticas da atiradora com relação ao YouTube e possíveis ações contra seus vídeos, indicando que a ida dela à cidade poderia ter a ver com isso. Mais uma vez, porém, a polícia disse não ter encontrado motivos para detê-la, uma vez que a fala do familiar não carregava preocupação nem mencionava o porte de armas ou a realização prévia de atos violentos.

A realidade, porém, se mostrou bem diferente algumas horas depois. Aghdam invadiu a sede do YouTube na cidade de San Bruno portando uma pistola, com a qual teria efetuado de 10 a 15 disparos, ferindo três pessoas e, depois, cometendo suicídio. De acordo com informações preliminares, ela possuía informações sobre o escritório e sabia, por exemplo, que conseguiria chegar a um refeitório da companhia passando por um estacionamento lateral, um caminho pelo qual não precisaria apresentar crachás de acesso ao prédio.

O ataque teria sido motivado pelo ódio que Aghdam sentia pela companhia. Ela era uma ativista do veganismo e dos direitos dos animais, produzindo vídeos relacionados a esses temas e também à cultura persa, bem como comentários sobre o estilo de vida ocidental. Em publicações feitas em um site oficial, ela acusava o YouTube de impedir artificialmente o crescimento de seus canais, que também teriam sido atingidos pelas mudanças no sistema de monetização aplicadas no início do ano.

Fonte: Polícia de Mountain View

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.