Apenas 5,2% da população mundial tem internet banda larga

Por Redação | 19.12.2015 às 13:20
photo_camera Divulgação

O relatório trimestral da Akamai, consultoria especializada em números do mercado de internet, é, ao mesmo tempo, uma demonstração da evolução da tecnologia e também da alta desigualdade entre os países. Segundo os dados referentes ao período entre julho e setembro de 2015, houve um aumento de 14% na velocidade média de internet em todo o mundo. Por outro lado, apenas 5,2% da população mundial tem acesso à rede por banda larga.

Ao todo, 126 países registraram números positivos em termos de velocidade, mas aqui, também há disparidade. No Japão, onde boa parte da população já está conectada, o crescimento foi de 0,2%, enquanto no Congo, onde o acesso à internet ainda é bastante limitado, esse aumento foi de 146%. Enquanto isso, regiões mais fechadas como a Namíbia e o Sudão, tiveram baixa de, respectivamente, 0,6% e 64%.

Por outro lado, nos países desenvolvidos, cresce cada vez mais a adoção de bandas mais rápidas. Houve um aumento de 9,8%, em relação ao ano passado, no total de conexões com mais do que 4 Mbps de velocidade. Hoje, 65% dos usuários de internet do mundo possuem pacotes mais velozes do que estes, considerados suficientes não apenas para navegação, mas para utilização plena de todos os recursos da rede, como sites mais pesados, redes sociais e conteúdo por streaming.

É justamente esse último aspecto que levou o governo dos Estados Unidos a mudar sua categorização do que é uma rede de banda larga. Antes, o país considerava dessa maneira conexões de 4 Mbps ou superiores, mas agora, esse patamar é de 25 Mbps. De acordo com os números da Akamai, levando em conta esse novo limiar, a penetração seria de 5,2% em todo o mundo e um aumento de 15% na quantidade de conexões em relação a 2014.

A consultoria também apresentou dados básicos sobre o estado da conectividade móvel no mundo, obtidos em parceria com a Ericsson. Segundo o estudo, hoje são mais de 180 países com pelo menos uma opção de conexão mobile, e mil operadoras em todo o mundo oferecendo o serviço. Até o terceiro trimestre, o crescimento no tráfego era de 65% em relação ao mesmo período do ano passado.

Fonte: Venture Beat